ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SÁBADO  13    CAMPO GRANDE 

Política

Projeto pretende garantir informações de compostos químicos em plásticos

Conforme o projeto, o bisfenol A pode causar desequilíbrios hormonais e várias condições patológicas

Por Jhefferson Gamarra | 12/06/2024 13:08
Deputado Estadual Roberto Hashioka durante sessão ordinária (Foto: Divulgação)
Deputado Estadual Roberto Hashioka durante sessão ordinária (Foto: Divulgação)

Durante a sessão plenária da Assembleia Legislativa desta quarta-feira (12),  deputado estadual Roberto Hashioka (União Brasil) apresentou o Projeto de Lei 126/2024, que exige a divulgação da presença de bisfenol A (BPA) em produtos e embalagens plásticas comercializados em Mato Grosso do Sul. A proposta visa ampliar o direito à informação do consumidor e permitir escolhas mais seguras em relação a produtos livres dessa substância.

O autor da proposta destacou a importância da transparência quanto ao uso do BPA, um composto químico presente em diversos tipos de plásticos, como policarbonatos e resinas epóxi. O uso do composto químico em produtos que entram em contato com alimentos e bebidas, especialmente quando aquecidos, pode causar desequilíbrios hormonais e várias condições patológicas, já que o BPA é um conhecido disruptor endócrino.

Embora o uso do bisfenol A já seja proibido em utensílios destinados a crianças, como mamadeiras e talheres, a proposta busca expandir essa proteção para todos os consumidores do estado. "É de extrema importância exigir que haja, ao menos, a informação adequada ao consumidor sobre a presença de BPA nos produtos e embalagens plásticas comercializadas no território sul-mato-grossense", defendeu Hashioka.

Caso aprovada, a lei obrigará fabricantes e comerciantes a informar sobre a presença de BPA em seus produtos, sob pena de sanções e multas conforme o Código de Defesa do Consumidor. A obrigatoriedade será aplicada apenas a produtos fabricados ou adquiridos após a entrada em vigor da lei. O projeto segue agora para análise da CCJR (Comissão Permanente de Constituição, Justiça e Redação) da Alems.

Nos siga no Google Notícias