ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, TERÇA  16    CAMPO GRANDE 23º

Política

Projeto que reduz tarifa do transporte coletivo não será votado hoje

Francisco Júnior e Kleber Clajus | 05/11/2013 10:41
Mario Cesar diz que prefeitura não explicou renúncia fiscal (Foto: Cleber Gellio)
Mario Cesar diz que prefeitura não explicou renúncia fiscal (Foto: Cleber Gellio)

O presidente da Câmara Municipal, vereador Mário Cesar (PMDB) garantiu que o projeto que desonera o ISS (Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza) do transporte coletivo e reduz a tarifa em R$ 0,05 não será votado nesta terça-feira (5).

De acordo com o parlamentar, no projeto, que é de autoria do prefeito Alcides Bernal (PP), não está esclarecido de onde partirá o valor para cobrir a renuncia fiscal. Segundo ele, o secretário municipal de Planejamento, Finanças e Controle, Wanderley Ben Hur da Silva, encaminhou uma explicação, mas não atendeu a expectativa referente a renuncia dos R$ 8,1 milhões.

O vereador considerou estranho à justificativa que consta no projeto. “No projeto encaminhado informa que os valores serão compensados por esforço extra de arrecadação no exercício 2014 e 2015. Não tem especificamente de onde vem essa arrecadação e como vai ser coberta essa renuncia fiscal”, disse Mario Cesar. “Hoje sem chance de ser votado”, acrescentou.

Com relação a gratuidade das passagens, ele afirma que tem que ser mantida, mas é necessário mexer no cálculo de quem custeia esses benefícios. “Temos que diluir no plano plurianual de forma escalonada, por etapas. A gratuidade hoje representa 27,2% dos passageiros por mês”, explicou.

Na expectativa da aprovação do projeto, a diretora-presidente da Agereg (Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados), Ritva Cecília de Queiroz, acompanha a sessão de hoje. Ela explicou que o parecer apresentado à Câmara aponta que de fato é possível desonerar 100% o ISS. “A decisão é de interesse local e não vai causar prejuízo ou constrangimento fiscal”.

Ritva afirma que é necessário que o projeto seja aprovação o quanto antes. “Estamos ficando preocupados porque o consorcio Guaicurus tem direito ao aumento da tarifa. Estou na torcida pela aprovação dos projetos mais rápido possível se não teremos que decretar a tarifa R$ 2,90”, relatou explicando que as empresar tem direito ao reajuste.
Conforme Ritva, a ideia da redução da tarifa é atrair mais passageiros, já que o número de usuários do transporte coletivo vem caindo.

Uma vez aprovada o projeto na Câmara, o projeto segue para a sanção do prefeito.

Nos siga no Google Notícias