ACOMPANHE-NOS    
JULHO, TERÇA  27    CAMPO GRANDE 16º

Política

Reinaldo Azambuja assina carta com governadores por auxílio de R$ 600

Documento foi encaminhado para os presidentes das Mesas Diretoras do Congresso Nacional

Por Gabriela Couto | 24/03/2021 18:01
Governador Reinaldo Azambuja (PSDB) assinou documento por garantia da manutenção do auxílio emergencial de R$ 600 (Foto Divulgação)
Governador Reinaldo Azambuja (PSDB) assinou documento por garantia da manutenção do auxílio emergencial de R$ 600 (Foto Divulgação)

O governador Reinaldo Azambuja assinou nesta quarta-feira (24) uma carta junta outros 15 governadores, que foi enviada aos presidentes da Câmara, Arthur Lira, e do Senado, Rodrigo Pacheco, defendendo o retorno do auxílio emergencial no valor de R$ 600.

Os representantes dos estados pedem que o Congresso Nacional disponibilize os recursos necessários para o auxílio emergencial em níveis que superem os valores anunciados pelo governo federal de R$150, R$ 250 e R$ 375.

No documento ainda é enfatizado a necessidade de pagar o benefício neste ano, com os mesmos critérios utilizados em 2020. A carta faz parte da “Campanha Renda Básica que Queremos”, movimento criado por entidades para garantir a segurança de renda à população no momento da pandemia.

A carta ressalta o recorde de mortes, pede medidas sanitárias e a garantia do auxílio emergencial. “Somente com essas medidas seremos capazes de evitar o avanço da morte. Por isso, entendemos que a redução dos valores do auxílio emergencial é inadequada para a eficácia da proteção da população. Enquanto a vacinação não acontecer em massa, precisamos garantir renda para a população mais vulnerável.”

Vale lembrar que o governador Reinaldo Azambuja está criando um projeto de lei para criar um auxílio emergencial estadual para a população carente do Estado. Desde o final de fevereiro a equipe técnica e econômica tem analisado os números para que o projeto seja encaminhado para a votação na Assembleia Legislativa, mas até o momento nada foi divulgado.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário