A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 21 de Agosto de 2019

21/03/2019 11:31

Sindicalista acusa prefeitura de não “validar” trabalho de agentes de saúde

Falta de preenchimento de dados sobre o trabalho comunitário no sistema E-SUS faz com o que o Ministério da Saúde não repasse os valores para a categoria

Izabela Sanchez e Danielle Valentim
Marcos Tabosa, presidente do Sisem (Foto: Danielle Valentim)Marcos Tabosa, presidente do Sisem (Foto: Danielle Valentim)

Acompanhado de agentes de saúde munidos de cartazes, o presidente do Sisem (Sindicato dos Servidores Municipais), Marcos Tabosa, acusou o prefeito Marquinhos Trad (PSD), nesta quinta-feira (21), de não “validar” o trabalho dos agentes comunitários. O impasse ocorre na validação das informações que devem ser preenchidas no sistema E-SUS. Sem as informações validadas no sistema online, o Ministério da Saúde não repassa os valores que a categoria deve receber pelo trabalho realizado.

O sindicalista, que foi até a Câmara Municipal, também acusou os vereadores de não “fiscalizarem” o executivo e afirma que a falta de validação em novembro e dezembro atingiu 800 agentes que ficaram sem receber R$ 370. O sistema com as informações da rotina de trabalho é exigência do governo federal desde o final do ano passado.

Antes desta exigência, os profissionais tinham de preencher sistema semelhante, só que vinculado ao Governo do Estado, o “E-Agente”, considerado menos complexo. Os agentes reclamam que não encontram estrutura suficiente para o preenchimento, como a falta de computadores, impressoras e até papel.

Tabosa também já havia declarado os profissionais não foram capacitados para mexer no sistema do governo federal. Por não preencherem, parte do salário ligado à exigência foi cortado.

Ao usar o microfone da tribuna e iniciar a discussão, o presidente do Sisem acusou os vereadores de não atuarem para resolver o impasse. “O vereador Chiquinho deve estar em seu gabinete. Ele que é líder desse prefeito injusto, que não cumpre leis e não obedeceu regras institucionais do Estado”, disse.

Ele lembrou a mudança nas resoluções que regulamentam a prestação de informações e a validação. “Dessa forma a prefeitura só tem poder de validação e o prefeito escondeu a pactuação”

Tabosa alega que a pactuação só foi feita em fevereiro e, por isso, a categoria exige a devolução do dinheiro retido nos últimos meses de 2018. “O senhor tinha que dar condições para o agente digitar o E-SUS”, declarou Tabosa para o prefeito, que não estava presente na sessão.

Agentes comunitários de saúde protestaram na Câmara nesta quinta-feira (Foto: Danielle Valentim)Agentes comunitários de saúde protestaram na Câmara nesta quinta-feira (Foto: Danielle Valentim)

Chiquinho Teles (PSD) rebateu o sindicalista. “Agora o vereador tem feito o papel dele. Vossa senhoria cometeu um erro ao dizer que nos não fiscalizamos o prefeito. Vossa excelência fez um convite aos servidores e poucos vieram aqui. Muitos receberam e trouxeram os holerites do governador do estado, em torno de R$ 298 mil reais que é repassado para a prefeitura. A prefeitura não tem obrigação de depositar junto com o salário. Existem determinações do ministério da saúde e para ser validado precisa dizer quantas visitas fez”, respondeu.

“Se o agente fizer as visitas recebe R$ 477 reais. Se o agente não fizer nenhuma visita ainda recebe 138 reais”, finalizou Chiquinho. A fala terminou seguida de vaias dos agentes que protestavam no plenário.

“Quem produz ganha quem não produz não ganha”, disse, por sua vez, o vereador André Salineiro (PSDB). Ainda assim, o parlamentar afirmou que há falta de estrutura. “O agente comunitário só ganha produtividade se for atendimento do SUS. Que possamos corrigir isso é que ele ganhe por todas os atendimentos. Tem que ter auditoria naquela secretaria, do jeito que está não dá para continuar”, disse Salineiro.

Hederson Fritz destacou que a portaria, por ser ampla, culminou em regulamentação do executivo que determinou um supervisor para validar as informações. “Você está coberto quando diz sobre a falta de estrutura, mas errado quando fala da omissão dos vereadores. Existente vídeo de vossa senhoria onde orienta os agentes a não fazer nenhuma digitação”, acusou o parlamentar.

Tabosa, então, pediu uma reunião com a presença de vereadores da comissão de saúde da câmara, sindicato, o líder do prefeito, vereador Chiquinho Telles e técnicos da Prefeitura.

“O prefeito Marquinhos Trad ocultou documento oficiais baseado em leis que estão no diário oficial do estado. Vamos provar nessa reunião que o prefeito colocou a Lívia para não fazer a validação e a mandou ameaçar e intimidar. Marque a reunião e os senhores [vereadores] vão julgar. Ou eu estou mentindo ou o prefeito está mentindo, não pode existir duas mentiras”, finalizou.

Disfarçada de agentes de saúde, dupla assalta dona de mercado
Bandidos disfarçados de agentes de saúde assaltaram proprietária de um mercado na tarde de ontem (4), no Jardim Centenário, em Campo Grande. A dupla ...
Prefeitura convoca professores, agentes de saúde e médicos para o município
A Prefeitura de Campo Grande convocou 88 candidatos aprovados nos concursos públicos da Saúde e Educação para cumprirem os procedimentos de nomeação ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions