A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 16 de Janeiro de 2018

27/04/2011 06:29

STF decide hoje se vaga de suplente na Câmara é do partido ou da coligação

Débora Zampier, da Agência Brasil

O STF (Supremo Tribunal Federal) decide hoje (27) se as vagas de suplentes na Câmara dos Deputados devem ser preenchidas por substitutos do partido ou da coligação. O tribunal já chegou a se posicionar sobre o tema no fim do ano passado, com a maioria dos ministros votando na tese de que a suplência deve ser ocupada por um político do partido. Entretanto, o tribunal estava incompleto na ocasião.

A decisão do plenário acabou sendo sucedida por decisões individuais dos ministros, o que permite uma prévia do placar de hoje à tarde caso ninguém mude de opinião. São favoráveis à tese de que a suplência deve ser do partido os ministros Cezar Peluso, Marco Aurélio Mello, Gilmar Mendes, Joaquim Barbosa e Cármen Lúcia. Do outro lado, estão os ministros Celso de Mello, Ricardo Lewandowski, Carlos Ayres Britto e Antonio Dias Toffoli. É desconhecida ainda a posição dos ministros Ellen Gracie e Luiz Fux, que não participaram do julgamento do plenário nem tomaram decisões individuais.

A polêmica em relação ao assunto começou após julgamento do STF sobre a fidelidade partidária. Em 2007, a Corte entendeu que o deputado que troca de partido no meio da legislatura – salvo algumas exceções - perde o direito à vaga, que é do partido.

Os defensores da tese de que a suplência deve ser preenchida por político da coligação afirmam que esse é um instituto que não perde efeito automaticamente após as eleições. Um dos argumentos é que mesmo após o pleito, somente as coligações podem entrar com ação na Justiça Eleitoral para contestar algum fato do pleito que disputaram.

Ainda há a possibilidade de o tribunal decidir que, caso vença a tese de que a suplência é do partido, a regra só tenha validade a partir de 2012, quando o procedimento já for conhecido dos políticos que disputarem as eleições.

Conselho do TSE discute prevenção de notícias falsas na campanha eleitoral
O Conselho Consultivo formado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para discutir internet e eleições fez hoje sua primeira reunião neste ano. Na pa...
Maia defende pacto entre Congresso e governadores para agenda de reformas
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou hoje (15), em viagem oficial a Nova York, que pedirá o apoio de governadores par...


NO MEU PONTO DE VISTA, PELA INCONSTITUICIONALIDADE DA LEGISLAÇÃO ELEITORAL BRASILEIRA, ONDE SE ELEGE OS QUE TEM MENOS VOTOS, TUDO PODE ACONTECER, E PARA O PARTIDO TER DIREITO A ELEGER O SUPLENTE DO PARTIDO, PARA QUE ISSO OCORRA, O PARTIDO TERÁ QUE BANCAR TOTALMENTE OS CANDIDATOS, E ISSO NÃO OCORRE, ENTÃO NÃO TEM DIREITO DE EMPLACAR OS SUPLENTES PARTIDÁRIO, E SIM QUE DEVE SER EMPLACADO, É O MAIS VOTADO, ESCOLHIDO PELA MAIORIA, NÃO PREDOMINANDO COEFICIENTE ELEITORAL, NÃO PARTIDÁRIO, E SIM A VONTADE POPULAR, QUE É A VONTADE EMANA DO POVO, OU ENTÃO MELHOR É UMA DITADURA MILITAR NESTE PAÍS.
 
PEDRO BRAGA em 27/04/2011 07:42:30
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions