ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEGUNDA  15    CAMPO GRANDE 19º

Política

STF mantém afastamento no TCE e defesa quer isonomia com caso de desembargador

Oriunda da Assembleia Legislativa, vaga de Waldir Neves é cobiçada pelos deputados

Por Aline dos Santos | 12/06/2024 12:07
Waldir Neves foi afastado do Tribunal de Contas em 2022. (Foto: Divulgação/TCE)
Waldir Neves foi afastado do Tribunal de Contas em 2022. (Foto: Divulgação/TCE)

O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), indeferiu pedido da defesa de Waldir Neves, conselheiro do TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado), e manteve seu afastamento do cargo. A medida está vigente desde 2022, quando foi alvo de operação da PF (Polícia Federal).

A decisão de Moraes data de 7 de abril e, agora, num agravo regimental, a defesa reforça o pedido para a revogação de toda as medidas cautelares. No último dia 5, o ministro solicitou informações ao STJ (Superior Tribunal de Justiça), que autorizou as operações Mineração de Ouro e Terceirização de Ouro, sobre o inquérito contra Waldir Neves.

No agravo, a defesa destaca decisão de Alexandre de Moraes favorável ao desembargador do TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), Divoncir Schreiner Maran, que conseguiu voltar ao cargo a poucos dias de se aposentar por atingir a idade limite de 75 anos.

Sem citar o nome de Maran, o documento mencionou que foi concedida decisão favorável a desembargador de MS, que ficou somente dois meses afastados da função pública e é investigado por crimes de corrupção passiva e lavagem de capitais. O recurso lembra que o desembargador concedeu liberdade a preso condenado a 126 anos de prisão, que acabou fugindo após romper tornozeleira eletrônica.

O ministro primeiro tinha negado o pedido de Maran, mas reconsiderou a decisão, numa situação, que, segundo a defesa de Neves envolve “fatos muito mais graves, com investigação mais recente e menor tempo de afastamento funcional daquele paciente (que também exerce função pública de julgador)”. Na sequência, alega o princípio constitucional da isonomia.

“Ou seja, - os dois pacientes não foram condenados e apenas são investigados em inquérito policial até esse momento; - os dois são agentes públicos que exercem função de julgadores (...); - os dois foram  afastados por mera investigação por crimes funcionais; - ambos não descumpriram as cautelares no período de sua permanência; - ambos detém décadas de exercício funcional ilibado, primários de bons antecedentes; - ambos não respondem a outros processos criminais; - ambos podem responder no exercício do seu cargo vitalício (ausente então o risco de evadir-se ou aplicar-se a lei penal) e em total liberdade a investigação/acusação que lhe fora perpetrada pela acusação”.

A defesa de Waldir Neves em Campo Grande não quis se manifestar sobre a decisão do ministro em 7 de abril.

A operação Terceirização de Ouro, deflagrada em 8 de dezembro de 2022, também afastou os conselheiros Iran Coelho das Neves e Ronaldo Chadid. Contudo, a vaga de Waldir Neves no TCE-MS, oriunda da Assembleia Legislativa, já é cobiçada pelos deputados estaduais.

No mês de maio, o Poder Legislativo criou comissão temporária para acompanhar investigação que provocou afastamento de três conselheiros do Tribunal de Contas do Estado.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias