A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Outubro de 2019

15/07/2019 08:16

Tabela é publicada e temporários vão ganhar 32% menos que concursados

Tabela entra em vigor a partir de hoje e, segundo o governo, maioria entra na faixa salarial da licenciatura, R$ 4,1 mil

Silvia Frias
Projeto foi aprovado no dia 11 de julho, em sessão acompanhada pela categoria (Foto/Arquivo: Luciana Nassar)Projeto foi aprovado no dia 11 de julho, em sessão acompanhada pela categoria (Foto/Arquivo: Luciana Nassar)

Publicada nesta segunda-feira (15) a tabela com a nova remuneração dos professores convocados pelo governo estadual. Para a maioria, entrará em vigor o valor de R$ 4,1 mil, o que representa redução de 32,55% em relação ao piso regional, que é de R$ 6.079,00 e será mantido apenas para os concursados. Os valores entram em vigor a partir de hoje.

Na semana passada, o governador Reinaldo Azambuja havia dito que os temporários ganhariam 10% acima do piso nacional fixado em R$ 2.557,74, o que representaria R$ 2.813,51 em remuneração.

Porém, essa faixa se aplica somente aos profissionais do Magistério, categoria quase extinta nos quadros do governo, cerca de 0,6% do total. O percentual também ficou abaixo do divulgado, aproximadamente 7% acima do piso nacional, sendo fixado em R$ 2.733,33.

A maioria, mais de 90%, segundo a assessoria da Secretaria Estadual de Educação, terá piso de R$ 4,1 mil referente a 40 horas semanais de trabalho. Como os contratos firmados a partir de 2007 são majoritariamente de 20h semanais, a remuneração deve ser menor, porém, não há como especificar e cortar esse valor pela metade, pois os docentes têm acrescidos aos salários alguns aportes, como hora complementar, adicional em função da graduação, por exemplo, o que deve fazer diferença na conta final.

Conforme a tabela, para graduação sem licenciatura a remuneração será de R$ 3.690,00; docentes com especialização, R$ 4.373,27 e para os que tem Mestrado/Doutorado, R$ 4.510,00.

Em entrevista na semana passada, a secretária estadual de Educação, Maria Cecília Amendola da Motta, ela justificou que o projeto do governo precisava ser aprovado para garantir a folha. “Ou não paga ou faz redução, é matemática pura”.

O presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação em MS), Jaime Teixeira, disse que a entidade deve protocolar recurso ainda hoje no STF (Supremo Tribunal Federal) contra a lei que alterou os salários dos professores convocados. Atualmente, o governo do Estado tem 11 mil contratados e oito mil concursados.



Governo fazendo contingenciamento com salário dos professores. É o PSDB, sempre usando uma fórmula mágica para governar.
 
Áttila Teixeira Gomes em 15/07/2019 09:50:08
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions