A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

18/05/2012 17:45

TJMS determina pagamento imediato do salário do prefeito afastado de Alcinópolis

Francisco Júnior
Manoel Nunes da Silva deixa cadeia onde permaneceu preso por vários meses. (Foto: João Garrigó)Manoel Nunes da Silva deixa cadeia onde permaneceu preso por vários meses. (Foto: João Garrigó)

Decisão do desembargador Dorival Renato Pavan, da 4ª Câmara Cível do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), determinou nesta sexta-feira (18) que seja efetuado imediatamente o pagamento do salário do prefeito afastado de Alcinópolis, Manoel Nunes da Silva, acusado de ser o mandante da execução do então presidente da Câmara Municipal, vereador Antônio Carlos Carneiro. O crime foi em Campo Grande, em outubro de 2010.

Com o afastamento do prefeito, o vice-prefeito Alcino Carneiro, pai do vereador morto, assumiu a Prefeitura e suspendeu pagamento de Manoel, que acabou entrando na justiça para poder receber o ordenado.

No mês de abril, a 4ª Câmara Cível julgou procedente o pedido do prefeito para receber o salário. Ele havia recorrido de uma decisão liminar que proibia pagamento.

Hoje, o desembargador relator do processo determinou o cumprimento da decisão “com a maior brevidade possível”.

Manoel foi preso em 20 de julho e solto no dia 29 de setembro de 2011, sob condição de não se aproximar da prefeitura. Em janeiro deste ano, a Seção Criminal do TJ/MS recebeu a denúncia por homicídio doloso feita pelo MPE (Ministério Público Estadual) contra o prefeito afastado.

Os vereadores Eliênio Almeida de Queiroz (PR), Valter Roniz Dias de Souza (PR) e Valdeci Lima de Oliveira (PSDB) também foram denunciados por “ajustar” a morte de Carlos Antônio. Os três chegaram a ser presos em julho de 2011, sendo soltos em 12 de agosto.

Neste ano, foram a júri popular o pistoleiro e o contratante da execução. Ireneu Maciel, réu confesso pela execução, foi condenado a 19 anos de prisão; enquanto Valdemir Vansan recebeu pena de 18 anos.



NÃO É JUSTO, OS JUSTOS PAGAREM PELOS INJUSTOS, CADÊ A DIFERENÇA DO CERTO DO ERRADO, POLÍTICOS, REPRESENTANTES DO POVO, VOTEM UMA LEI, PARA ACABAR COM ESTABILIDADE EMPREGATÍCIAS PÚBLICA, URGENTEMENTE, ACABAR COM CONCURSOS, E SIM TESTES DE CAPACIDADES, É BOM FICA, É RUÍM, DÊ O LUGAR, PARA OUTRO, DOIS PREFEITOS RECEBENDO, NUM SÓ LUGAR, SUSPENDA O PAGAMENTO, ATÉ A DECISÃO FINAL, FUNCIONÁLISMO PÚBLICO.
 
pedro braga em 19/05/2012 08:02:35
Considerando que o mesmo não foi julgado ainda e que pode estar sendo vitima de uma injustiça, o judiciário nada mais faz que corrigir parte de um grande erro.
 
Ricardo Kaiatt em 19/05/2012 06:39:26
so falta dar diaria na hora que for na capital responder os processos??????????????
 
paulo pereira da silva em 18/05/2012 10:08:51
Está comprovado de que matar alguém não é ruim negócio.
 
jorge ferreira em 18/05/2012 10:04:02
Ele não está afastado? Sinceramente, o judiciário desse país dá vergonha...
 
Adriano Roberto dos Santos em 18/05/2012 07:18:38
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions