A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

20/06/2013 15:05

Trabalho de Fábio Trad por alteração da PEC 37 é elogiado por presidente do MP

Jéssica Benitez
O reconhecimento à dedicação do parlamentar foi feito publicamente pelo presidente da Associação do Ministério Público, Alexandre Magno Benites de Lacerda. (Foto: Agência Câmara)O reconhecimento à dedicação do parlamentar foi feito publicamente pelo presidente da Associação do Ministério Público, Alexandre Magno Benites de Lacerda. (Foto: Agência Câmara)

O trabalho do deputado federal sul-mato-grossense, Fábio Trad (PMDB), teve seu trabalho para alterar a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) 37 reconhecido pelo presidente da Associação do Ministério Público, Alexandre Magno Benites de Lacerda. O reconhecimento à dedicação do parlamentar foi feito publicamente. O peemedebista é contra a limitação do poder investigativo dado ao MPE, bandeira defendida pela PEC em questão.

“Mato Grosso do Sul e o Brasil que lutam e desejam a rejeição da PEC 37devem se orgulhar do trabalho do deputado Fábio Trad que foi o primeiro parlamentar na Comissão Especial da PEC 37 a sustentar a tese de que o MP tem o poder/dever de apurar infrações penais”, aconselhou o presidente.

Magno considera a postura do deputado sensata e equilibrada, fato que garante a solução da proposta não se perderá no labirinto dos conflitos corporativos. “Isso porque ele sabe conjugar com harmonia e habilidade política o direito das Polícias e do Ministério Público investigarem infrações penais dentro de suas competências”, disse.

Fábio é relator da Comissão Especial criada para tratar do assunto e, por entender que o MP deve fazer parte das infrações penais, ele formulou uma proposta alternativa na para ser inclusa na proposta de emenda. No plenário da Câmara Federal, o parlamentar se pronunciou acerca do trabalho desenvolvido pelo grupo constituído pelo Ministério da Justiça.

“Tive o privilégio e a oportunidade de ser o primeiro deputado na comissão especial da PEC 37 que defendeu e continua defendendo a possibilidade do Ministério Público investigar crimes contra a administração pública, crimes contra o patrimônio, crimes praticados por agentes políticos e públicos e crimes praticados por organizações criminosas”, contou.

O deputado aproveitou a oportunidade para fazer um pedido. “Agora, eu faço um apelo às policias e ao Ministério Público, para que cheguem a um acordo para fortalecer o sistema de investigação criminal no Brasil, permitindo que polícia e Ministério Público atuem de forma harmônica e integrada em prol da sociedade brasileira. Não merecemos essa briga”, finalizou Fábio.

Assembleia recebe prestação de contas e fará limpeza de pauta antes do recesso
A última semana de trabalho do Poder Legislativo de Mato Grosso do Sul em 2017 será aberta com a audiência pública para prestação de contas do govern...
Assembleia vota prorrogação de adesão a fundo que regula incentivos fiscais
A prorrogação até 30 de dezembro do prazo para que empresas beneficiadas com incentivos fiscais concedidos pelo governo do Estado se inscrevam no Fad...
Governo do Estado investe R$ 9,2 milhões em infraestrutura em Caracol
Caracol vai receber mais de R$ 2,8 milhões em obras a serem executadas pelo Governo do Estado em parceria com a prefeitura e deputados federais e est...


Eu gostaria de saber qual a carreira no Ministério Público que faz a investigação e pergunto: Pra quê policiais militares que são retirados da rua para fazer investigações com gratificação por desvio de função? Em Minas me parece que são R$ 200,00 (duzentos Reais); Quando se inicia a investigação? quem controla? Se alguém olhar torto para um promotor ele inicia a investigação? Qual o prazo desta investigação e como se regula? A Polícia tem 30 dias, isso mesmo, quanto tempo tem o MP? Se eles já tinham poder de investigar, por que precisam de relatórios do Banco Central, polícias federal, receitas federal e estaduais para montar denúncias e porquê há um mundo de inquéritos com mais de um ano parado nas mesas dos promotores? E, por fim, quanto custará duas investigações sobre o mesmo assunto?
 
Márcio Olinto Hazan em 21/06/2013 22:46:03
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions