ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, QUINTA  18    CAMPO GRANDE 16º

Política

Uso de impressora para jogo do bicho não altera posição da Assembleia sobre Neno

Servidor que usou o equipamento foi exonerado e segundo presidente da Alems, o restante é com policia e MP

Por Lucia Morel | 01/03/2024 17:03
Deputado Neno Razuk em trabalho na Assembleia Legislativa. (Foto: ALEMS - Luciana Nassar / Wagner Guimarães)
Deputado Neno Razuk em trabalho na Assembleia Legislativa. (Foto: ALEMS - Luciana Nassar / Wagner Guimarães)

As últimas revelações sobre suposto esquema de jogatina comandada pelo deputado Roberto Razuk, o Neno Razuk, não mudam a situação dele na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul. Reportagem desta quinta-feira, publicada pelo Campo Grande News, expôs o uso de impressora do gabinete do deputado por ex-servidor, para imprimir fotos coloridas de locais usados por rivais no jogo do bicho, que eram monitorados.

O presidente da Casa de Leis, Gerson Claro, afirma que o que a Assembleia poderia fazer, foi feito: exonerar o assessor de Neno, Diego de Souza Nunes, assim que a investigação começou. Com relação a Neno, qualquer ação só pode começar caso a Alems seja provocada, por um partido político, por exemplo, que questione a ação de Neno, diz Claro.

“A Constituição Federal diz que em caso de crime comum, o juiz deve informar a Assembleia, só, mas em havendo alguma solicitação ou requerimento de algum partido, aí a assembleia precisa decidir”, explicou Claro, reforçando que o restante é papel da polícia e do Ministério Público. A situação de uso do aparelho foi relatado pelo Campo Grande News aqui.

Segundo Claro, não há como, diante de uma denúncia ou investigação, retirar do cargo o próprio deputado, que por sua posição, tem a chamada imunidade parlamentar. Para o presidente da Alems, há ainda outro agravante. “Sem sentença, retirar alguém do cargo é mostrar que o voto não vale nada e a coisa mais sagrada da democracia é o voto”, sustenta.

Por fim, indaga sobre a acusação contra Razuk, que seria de ser chefe de uma suposta organização criminosa com vias a tomar conta do jogo do bicho em Campo Grande. Ou seja, é investigado por chefiar uma organização que nunca atuou efetivamente nos jogos ilegais na Capital. Para ele, é preciso respeitar as decisões judiciais e a investigação policial, entretanto, não se pode punir um parlamentar sem haver uma sentença.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias

Veja Também