ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, TERÇA  11    CAMPO GRANDE 30º

Política

Voto de relator abre caminho para realização de novas eleições em Rio Verde

Juiz Cezar Miozzo considera procedente acusação sobre compra de votos por chapa de Mario Kruger e Dinalva; candidato à reeleição, prefeito teria elevado gastos com cestas básicas em ano eleitoral

Por Humberto Marques | 19/03/2018 19:07

Julgamento em andamento no TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) abre caminho para a realização de novas eleições em Rio Verde –a 207 km de Campo Grande–, por conta de denúncia de compra de votos direcionada à chapa do prefeito eleito, Mário Kruger (PSC), e da vice, Dinalva Viana (PT). O relator do processo, o juiz eleitoral Cezar Luiz Miozzo, considerou procedente a denúncia encaminhada à Justiça Eleitoral sobre o caso.

O relatório foi lido nesta segunda-feira (19) durante sessão plenária do tribunal, mas pedido de vistas do desembargador João Maria Lós, integrante da Corte, adiou a conclusão do julgamento.

Conforme o advogado Felix Nunes da Cunha, a gestão de Kruger teria elevado os gastos com programas sociais em 2016 –ano da eleição– em cerca de 100%. Além disso, a chapa do prefeito e candidato à reeleição teria, também, efetuado captação ilícita de sufrágio: a “compra de votos” teria se configurado com o oferecimento de dinheiro a duas eleitoras, que teriam recebido R$ 20 e R$ 50.

Miozzo concluiu seu voto considerando a acusação procedente, decretando ainda, em seu parecer, a anulação dos votos da chapa de Kruger e Dinalva nas eleições de 2016 e decretação da inelegibilidade dos atuais prefeito e vice de Rio Verde. Além disso, cobra a realização de novas eleições.

A disputa em Rio Verde em 2016 foi uma das mais acirradas dos últimos tempos. Kruger venceu com 5.404 votos, ou 48,95% do total; enquanto o ex-prefeito José de Oliveira (MDB) teve 5.328 votos (48,26%). Laurentino da Autoescola (SD) somou 308 votos (2,79%).

A reportagem não conseguiu contatar o prefeito Mario Kruger para comentar as acusações.