ACOMPANHE-NOS    
MAIO, QUINTA  28    CAMPO GRANDE 23º

Direto das Ruas

Leitor compra Pirarucu estragado em hipermercado e alerta consumidores

Por Paula Vitorino | 19/04/2011 11:28

Quase dois quilos de Pirarucu estavam estragados. (Fernando Dias)
Quase dois quilos de Pirarucu estavam estragados. (Fernando Dias)

Em plena Semana Santa, onde o consumo de peixe praticamente dobra, o leitor do Campo Grande News Carlos Leite, de 36 anos, procurou a reportagem para denunciar a compra de quase dois quilos de Pirarucu estragados em um hipermercado da Capital.

O corretor de seguros comprou o peixe por volta das 21h de ontem (18), no balcão de frios do Wall Mart, e diz que só percebeu que a mercadoria estava estragada ao chegar em sua residência, quando sentiu o forte cheiro de “podre”.

“Quando você chega e pede a mercadoria, o açougueiro embala o peixe e não tem como sentir cheiro de podre. O peixe fatiado não tem como ver que está estragado, a carne é igual”, explica.

Carlos conta que sempre tem o costume de comprar peixe e quis denunciar o fato para alertar outros consumidores, que muitas vezes acabam consumindo a mercadoria estragada sem saber.

“Tem gente que vê a carne aparentemente saudável e fala que é só colocar limão na carne que o cheiro some. Mas isso não é verdade e a pessoa que comer vai passal mal. Eu mesmo já fui vítima de carne de peixe estragada e tive vômito e diarréia. Uma vez já foi o bastante para aprender a lição”, frisa.

O consumidor aponta o má acondicionamento dos peixes no hipermercado e o grande consumo da época como as prováveis causas do estrago.

“Colocam a carne em uma prateleira com gelo só embaixo, então, a parte de cima fica sem refrigeração. Poder ter acontecido também por causa da grande procura por peixe nessa época, que deixa os estoques cheios e o armazenamento fica mais difícil”, diz.

No entanto, Carlos ressalta que já comprou várias vezes peixe no hipermercado e nunca teve outro tipo de problema.

Nesta manhã, ele procurou o estabelecimento para reclamar da mercadoria e foi atendido prontamente. “Peguei o mesmo valor que havia pago em outras mercadorias. Não tive nenhuma dificuldade com os responsáveis pelo mercado”, afirma.

Carlos comprou 1,700 quilo de Pirarucu e pagou cerca de R$ 30.