A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

21/04/2011 11:00

Eficácia das reformas políticas e eleitorais

Por Lizete Andreis Sebben (*)

As relações como um todo, para sua existência e manutenção, exigem normas de convivência. No âmbito político e eleitoral, de igual forma, para seu perfeito funcionamento, impõe-se regras, inclusive de condutas, que devem nortear as relações partidárias e eleitorais.

Em pleno momento de criação de normas nesse setor, em fase de análise pelas respectivas Comissões – de Reforma Política pelo Congresso Nacional e de Reforma Eleitoral pelo Senado – não é demasiado referir que o sistema eleitoral é dinâmico, ágil, exigindo regras que sejam eficazes, ou seja, além de existentes e válidas elas devem possibilitar sua perfeita aplicação.

As leis, em sentido amplo, em especial as eleitorais, devem se adequar à realidade. Dada a velocidade com que os fatos se atualizam, urge que as proposições apresentadas autorizem este renovar constante em consonância com a atualidade.

Por sua vez, quiçá, é dispensável registrar que alteração alguma do sistema existente passará ilesa do crivo do Poder Judiciário, em especial da análise pelo Supremo Tribunal Federal – guardião da Constituição – se forem desrespeitados os princípios, direitos e garantias fundamentais previstos na Lei Maior.

Essas diretrizes e limitações do texto constitucional, em oposição ao que, por vezes, é divulgado, se revestem como garantia da soberania nacional.

Observe-se, o Título I da Constituição Federal, no seu artigo 1º, entre outros, ao referir os fundamentos do Estado Democrático de Direito, estabelece, no inciso V, o pluralismo político, ou seja, o reconhecimento de igualdade de direitos dos diversos partidos no exercício do poder político, autorizando que pequenos partidos também sejam ouvidos e tenham direito ao voto.

Ao tratar dos Direitos Políticos, dispõe no artigo 14, por exemplo, que a soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto e

secreto, com valor igual para todos. Vale dizer, direito de voto estendido a todos os indivíduos tidos como intelectualmente maduros, que não Brasil, são considerados àqueles acima de 16 anos, que será exercido direta e secretamente.

A evidência que toda e qualquer alteração no sistema vigente que importe em afronta a esses princípios e outros presentes na Lei Maior, mostra-se, desde já, marcada com o vício de inconstitucionalidade, passível de reprimenda pelos aplicadores do direito.

Nesse particular, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Ministro Ricardo Lewandowski, durante recente audiência na Comissão da Reforma Política, como um alerta desse controle posterior, salientou a necessidade dos parlamentares encarregados dessa nobre missão terem presente que a proposição reformista deve ser possível, ou seja, com alterações que podem existir, acontecer e, de fato, serem realizadas.

Como cidadã e operadora do direito, entendo que esse é o âmago das reformas políticas e eleitorais a serem introduzidas – que elas existam, sejam válidas e perfeitamente eficazes, retratando a necessária segurança jurídica.

(*) Lizete Andreis Sebben é advogada e ex-Juiza do TRE/RS.

Guarda oferece palestra sobre prevenção e combate às drogas em Uneis
Jovens da Unei (Unidades Educacional de Internação) Dom Bosco e da Unidade de Internação Feminina Estrela do Amanhã, em Campo Grande, receberam pales...
Cadastramento biométrico é oferecido pela Carreta da Justiça em Anhanduí
Desde o início desta semana a Carreta da Justiça está realizando atendimentos da biometria no distrito de Anhanduí, no município de Campo Grande, gra...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions