A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

11/10/2012 15:27

A Abjeção do Opróbrio

Por Rosildo Barcellos (*)

Um dos momentos divinos do norte do país é quando nossos olhos chegam perto do encontro das águas. Lá a presença de Deus é evidente. Os rios Negro e Solimões não se misturam, apesar de caminharem juntos, em decorrência das diferentes temperatura e velocidade, de uma e de outra. O Rio Negro é mais quente, menos denso e mais ácido, porque ele corre em uma área de formação geológica mais antiga. Ao seu lado, Solimões é um rio frio, com muitos sedimentos o que dificulta a natação em seu leito, e é mais denso.E um dos assuntos que compõem, em destaque, a pauta das discussões desta semana diz respeito a um sistema de cotas obrigatórias para negros, pardos e alunos da rede pública do ensino médio no processo seletivo para as universidades públicas. É um caminho visto por alguns como a redução da exclusão e visto por outros como uma segunda forma que discriminação.Em verdade o conceito mais usado é que a suposição de que cotas para egressos de escolas públicas vá democratizar a sociedade. Penso entretanto que tal corrente está equivocada, pois a solução aponta para a melhoria da qualidade da escola pública e não a derrubada do nível de exigência da universidade.

     Como professor há anos afirmo que vestibular nenhum mede a capacidade de alguém em frequentar um curso superior, restringindo-se a ser portador da definição de ingresso em função das vagas oferecidas. Isso se verifica em razão das circunstâncias especiais que o envolve, capazes de provocar o nervosismo do candidato, que afeta o desempenho dos postulantes a vaga, no momento do exame, entre diversos outros fatores de momento. Ressalto também os exemplos históricos. No Congo do século XIX, Hutus e Tutsis se misturavam e tendiam a se tornar um único povo, quando de repente o colonizador belga resolveu impor cotas em empregos e na educaçãoForam concedidos documentos raciais diferentes para os dois povos, que começaram a desenvolver processos de afirmação étnica por oposição entre si.    

     Passou o tempo e Ruanda, que se constituía em ser um dos menores e mais pobres países do mundo, transformou-se no terceiro país africano que mais importava armas. Entre janeiro de 1993 e março de 1994, graças ao financiamento francês, o país conseguiu da China mais de 580 mil machetes a preço de liquidação. Sedimentou-se assim um dos episódios mais bárbaros da história da humanidade culminando em 1994, quando em apenas três meses mais de 800 mil pessoas foram chacinadas em sua maioria a golpes daqueles machetes adquiridos. Do processo de independência de Ruanda até o genocídio, os conflitos étnicos foram frutos da disputa política dentro do país e resultaram no produto das decisões de se diferenciar as pessoas.

     Uma das funções do ensino superior é a disseminação e socialização do conhecimento, buscando a integração social, a eficiência e a soberania do nosso país.Teriam tais alunos “cotistas”condições de reverter a aprendizagem deficitária proveniente de um ensino básico não tão eficiente e por fim  promover o bem de todos, sem preconceito de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação? Evidentemente este assunto traz em seu bojo a complexidade que lhe é peculiar, e advogo que este assunto não se esgotará facilmente, o que, sem dúvida, trará ainda muito calor à discussão; fato que eu espero, para podermos analisar e decidir se estamos no caminho certo.

 (*) Rosildo Barcellos é articulista.

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...


Prezado Professor,ao fazer a leitura do seu artigo, que indubitavelmente, nos traz possibilidades de reflexões e informações de extrema relevância, me faço concordar com uma questão levantada por você,penso que toda essa discussão tenderá a apontar [...] para a melhoria da qualidade da escola pública e não a derrubada do nível de exigência da universidade. Muito bem colocada. É notório que discussões diversas e controversas estão surgindo,mas o caminho é apenas um: teremos que rever o que temos ensinado, informado e o nosso compromisso e responsabilidade enquanto professores.Parabéns.
 
Nosimar Ferreira Santos Rosa em 11/10/2012 23:32:56
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions