A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

27/07/2016 16:07

A atualização do professor diante das novas tecnologias

Por Andréa Studart Correa Galvão (*)

A formação inicial é apenas o primeiro degrau de qualquer profissional, e com o professor não é diferente. O que aprendemos há alguns anos acaba por se tornar obsoleto. No contexto de uma sociedade do conhecimento, a educação exige uma abordagem em que a tecnologia não pode ser desconsiderada.

O uso de ferramentas tecnológicas tem sido cada vez mais comum em nossa vida. Lidamos com diversos instrumentos em tarefas do cotidiano e para a superação de necessidades. Assim, o professor também deve buscar novas formas de aprender e ensinar. Para tal, é preciso que considere sua formação contínua no desenvolvimento de habilidades e competências para lidar com as tecnologias, atentando-se para seus objetivos pedagógicos e curriculares.

Manter-se atualizado sobre as novas metodologias de ensino, tecnologias como ferramentas de aprendizagem e práticas pedagógicas mais eficientes são algumas sugestões para a formação do professor, que também deve considerar seu crescimento pessoal, ou seja, ajudá-lo a perceber-se como agente de seu próprio desenvolvimento, e a escola como lugar de crescimento profissional permanente.

O uso das novas tecnologias de forma integrada ao projeto pedagógico é uma maneira de se aproximar da atual geração de estudantes. As tecnologias digitais já fazem parte do cotidiano dos alunos e cabe à escola utilizá-la como meio para intencionar a aprendizagem. Há várias formas de utilizar a tecnologia na sala de aula, ou fora dela, como ferramenta de aprendizagem, mas é necessário que o professor compreenda em quais situações ela efetivamente ajuda; a tecnologia não é um fim em si mesma.

Com a internet, os alunos conseguem ter acesso a muito mais informação que antigamente. O lugar do professor muda, assim, para uma nova configuração, em que ele problematiza e aproxima seus estudantes dos saberes científicos e das relações da natureza humana. Para tal, precisa desafiar, instigar, dialogar, prover condições favoráveis à interatividade, induzir os estudantes à investigação e elaboração próprias, os desafiando a propor soluções para os problemas apresentados.

O uso de novas tecnologias da comunicação em sala de aula apresenta-se aos professores como uma grande possibilidade de ganho no processo de ensino-aprendizagem, mas está a exigir-lhes uma mudança de estratégia pedagógica, forçando-os a uma reflexão permanente e um debate constante acerca de certos paradigmas da aprendizagem; uma disponibilidade maior para elaboração de situações inteligentes; a criação de novos formatos de avaliação, com integração que se inicie nos projetos interdisciplinares e culmine em ações conjuntas; uma comunicação constante entre os docentes sobre a rotina da turma.

Os novos tempos em educação exigirão novos professores, preparados para novas ideias e para criação de conhecimento, de forma a ser transformadores. Com o apoio das TIC em suas aulas, a possibilidade de traçar metas e atingir marcos educacionais torna-se cada vez mais realista. Mudar o paradigma de aula tradicional a que os professores estão acostumados não parece tarefa fácil, mas necessária e gratificante.

(*) Andréa Studart Correa Galvão é diretora educacional do Colégio Marista de Brasília (DF)

 

A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...



Tudo muito lindo Dona Andrea!só falta eu te falar que não tem internet nas escolas da rede pública estadual aqui em MS ok?
 
francisco em 27/07/2016 18:02:15
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions