A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 14 de Outubro de 2019

19/06/2018 07:28

A carne mais barata do mercado é a carne negra

Por Newton de Oliveira (*)

Os números apresentados pelo Atlas da Violência de 2018 mostram a agudização nas tendências do perfil de assassinatos cometidos no Brasil: a vítima é de cor negra,pobre, jovem e e do sexo masculino. Isso vem corroborar as séries estatísticas acerca do genocídio negro provocado pelas políticas de segurança públicas equivocadas, que fazem com que o combate a criminalidade se transforme em uma guerra aos pobres e esses pobres são homens jovens negros.

O perfil dos vitimizados reflete a histórica desigualdade social brasileira. E o aumento dos números tem como fator incrementador a crise brasileira que não só estancou o processo débil mas positivo de ascensão social e inclusão que vinha ocorrendo no Brasil, como ao contrário, ao longo dos últimos dois anos ocorreu e ocorre uma regressão nas políticas públicas de combate à pobreza e os negros são os mais afetados por comporem a maioria dos pobres.

De outro lado a herança belicista de comando da segurança pública tem como exemplo a intervenção federal militar no Rio de Janeiro. Seu insucesso absoluto e relativo com o aumento dos índices de criminalidade, de letalidade da ação policial e relativo com a incapacidade de elucidação do assassinato da vereadora Marielle e seu Motorista Anderson, são o exemplo cabal dessa opção fracassada.

Por sua vez a clivagem racial faz com que os números de mortes de brancos sejam comparáveis ao dos países desenvolvidos e o dos negros esteja no patamar dos países mais violentos do planeta.

Além dos fatores elencados não se deve desconsiderar os "demônios" libertos pela crise brasileira que, a partir dos protestos de 2013 culminaram com a deposição da presidente da república, e trouxeram à tona no país vozes do rancor e preconceito que afetadas pelas transformações promovidas pela ascensão social, clamaram pelo retorno a antiga ordem em que os negros e pobres "sabiam o seu lugar".

Esse discurso encontrou eco nas estruturas das instituições policiais e não se deve desconsiderar essa dimensão sociológica desses números. Eles corroboram os versos cantados por Elza Soares: "a carne mais barata do Mercado é a carne negra"

(*) Newton de Oliveira é professor de Direito do Mackenzie Rio e ex-subsecretário geral de segurança do RJ.

As lições a serem aprendidas com o lago do Parque das Nações Indígenas
“Nesta terra molhada”, após 5 meses com inúmeras iniciativas, do governo e sociedade, o lago artificial do Parque das Nações está voltando a produzir...
Gestão pública é o caminho contra a corrupção
A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974. Ou seja, esse mal é algo comum e enraizad...
A virtude da temperança
Não haverá Paz duradoura enquanto prevalecerem privilégios injustificáveis, que desonram a condição humana, pela ausência de Solidariedade, que deve ...
MS: Um novo salto de desenvolvimento
A história de Mato Grosso do Sul não é uma linha reta. Ela vem sendo escrita, no curso do tempo, por diferentes protagonistas, por meio de um caminho...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions