A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

23/02/2019 07:02

A engenharia não é uma ciência exata

Por Vahan Agopyan (*)

 

Sempre que ocorre um acidente ou desastre resultante de uma atividade de engenharia, sinto-me na obrigação de divulgar o que é essa profissão na realidade. Nesses momentos, surgem os autodenominados especialistas, fazendo conjecturas, apresentando diagnósticos e propondo soluções, normalmente simples e erradas.

Depois da tragédia de Brumadinho, aguardei um pouco para não ser interpretado como corporativista nas minhas considerações e nem como se estas fossem para justificar o comportamento dos envolvidos.

O excelente texto de Maria Eugênia Boscov, publicado na Folha de S. Paulo (“Acidentes talvez não fossem evitáveis, mas tragédias, sim”), esta sim especialista respeitada nacional e internacionalmente, no qual explica, de maneira didática, que acidentes podem acontecer, mas desastres não são admitidos, estimulou-me a externar meus comentários. O artigo é irretocável, entretanto quero reforçar um ponto importante: o engenheiro trabalha com incertezas.

Quando se vê o engenheiro empregando modelos físicos complexos e matemática sofisticada, fica a falsa impressão de que a engenharia é uma ciência exata. Os modelos são detalhados e os cálculos, precisos, mas embasados em dados não tão exatos.

A engenharia se relaciona com a natureza, aplicando materiais, métodos e processos reais, todos com variabilidade inerente, que resulta em incerteza do projeto como um todo. O engenheiro é treinado para estimar tais variáveis e tomar decisões com incertezas.

Alguns colegas, inclusive acadêmicos, não atentam a esse fato. A engenharia é posta com as ciências exatas, confundindo os próprios alunos. Matemática, física, química e biologia são imprescindíveis para o desenvolvimento das ciências da engenharia, nas quais os modelos são desenvolvidos, geralmente probabilísticos, porém com certo grau de empirismo.

As variáveis são analisadas e adotadas e os riscos, estimados e assumidos. O bom engenheiro é treinado para analisar as variáveis intervenientes no processo e estimar os riscos, com a habilidade de decidir com dados inexatos.

Essa competência faz com que os profissionais sejam disputados em outros setores, como na área financeira, sendo seduzidos por ganhos que a engenharia não pode oferecer.

Não é simples compreender a atividade desse profissional e aceitar que, nos projetos de engenharia, se pode ter falhas inerentes ao processo de trabalho. Os acidentes, quando devidamente estudados, são fontes para o avanço do conhecimento. Logicamente, não se aceitam desastres.

Outro aspecto debatido nos ambientes profissionais é admitir que, nas últimas décadas, o Brasil desprezou sua engenharia. Na área privada, empresários preferiram comprar patentes do exterior, mais baratas do que seu desenvolvimento local e cuja solução pode ser aplicada sem se ter que esperar anos até que os resultados possam ser utilizados na indústria.

Eles não atentam ao fato de que compram uma caixa-preta, tornando a empresa dependente do detentor do conhecimento. Ou então, de uma versão ultrapassada, para produção de baixo custo nos mercados do terceiro mundo.

Empresas de renome, inclusive da agroindústria, geram e utilizam conhecimento novo. Do lado público, com a Lei 8.666, que cerceia a possibilidade de fornecimento de produtos inovadores, o governo não consegue aplicar seu poder de compra para estimular o desenvolvimento do conhecimento, subsídio aceito pelos organismos internacionais.

Sem expansão do conhecimento, não há campo para o desenvolvimento da engenharia, em consequência, os salários ficam menos atraentes e, assim, bons profissionais são cooptados para outras áreas. Por fim, dentro da indústria, as equipes de engenharia não têm o reconhecimento de seu trabalho.

Esse tema merece discussão mais ampla e indica um comportamento que explica, mas não justifica, a pouca capacidade de atuação dos engenheiros para combater desmandos que resultam em tragédias, muitas delas anunciadas.

(*) Vahan Agopyan é reitor da Universidade de São Paulo e ex-diretor da Escola Politécnica (Poli-USP).

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions