A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 13 de Outubro de 2019

30/10/2017 08:50

A opinião dos madrilenhos sobre a independência da Catalunya

Adriana F. S. Oliveira, da Agência Brasil

A Espanha é um Estado democrático, monárquico e parlamentarista, dividido em 17 comunidades autônomas e 02 cidades autônomas. As comunidades autônomas são - Galiza, Astúrias, Cantábria, País Basco, Navarra, Castela e Leão, La Rioja, Estremadura, Madrid, Castilla La Mancha, Murcia, Andaluzia, Ilhas Canárias, Catalunha, Aragão, Comunidade Valenciana e Ilhas Baleares e as cidades autônomas são Ceuta e Melilla, todas com autonomia e capacidade de decisão, sendo que oito dessas comunidades, a saber: Galiza, País Basco, Andaluzia, Ilhas Canárias, Catalunha, Aragão, Comunidade Valenciana e Ilhas Baleares possuem condição de nacionalidades históricas reconhecidas na Constituição de 1978 e maior poder e capacidade de decisão.

A cidade de Madrid é a capital do Estado espanhol e da Comunidade Autônoma de Madrid, sede do governo e residência do monarca espanhol, como também o centro político, econômico e cultural da Espanha. A cidade de Barcelona é a capital da Comunidade Autônoma da Catalunha, reconhecida por sua importância cultural, financeira, comercial e turística, como também um ponto de comunicação entre Espanha e França.

Na atualidade, os independentistas da Comunidade Autônoma da Catalunha, desejam que o território da Catalunha seja desconectado do Estado espanhol, formando novo país e nação, inclusive possuem idioma próprio, o catalão, entretanto, esse anseio não é unânime entre os próprios indivíduos catalães residentes naquele território, entretanto essa proposta foi submetida em 01.10.2017 a um referendo na Catalunha, declarando-se a independência, posteriormente suspendendo a declaração e iniciando um diálogo tenso com o governo de Madrid, o que por sua vez ameaçou aplicar o artigo 155 da Constituição espanhola e intervir naquele território, o que está ocorrendo no momento.

Em Madrid por um mês, colhi opiniões dos madrilenhos a respeito da suposta independência da Catalunha. Percebi que em geral o povo em Madrid é engajado na cidadania e veementemente contra a proposta do povo e governo da Catalunha. Senhoras, senhores, taxistas, entregadores de pizza, lojistas, farmacêuticos, atendentes, professores universitários, estudantes, cabeleireiros, motoristas de carros por aplicativo, pessoas com as quais tive contato, são contra a proposta e afirmam que caso haja um sufrágio nacional consultando o povo espanhol sobre a desconexão daquele território do Estado espanhol e a maioria dos votos seja pela independência, aí sim, eles aceitam, mas da maneira como foi feita a consulta, os madrilenhos consideram fraudulenta.

No mesmo intento, o povo de Madrid expressa seu total apoio ao governo nacional, acompanha noticiário de rádio e televisão no cotidiano e a todo momento comenta sobre o fato e eles tem prazer de explicar para os estrangeiros, como é meu caso, quais são os motivos de serem contra e dizem que sempre foi assim, de vez em quando os catalães querem ser independentes.

Percebi um povo interessado no contexto político e econômico de seu país, os quais entendem que a saída das empresas da região de Barcelona é imprescindível para que eles recuem em seus intentos independentistas e inclusive que conhecem os limites da ação policial e das forças armadas, caso seja necessário.

Eu não encontrei em Madrid alguém que dissesse ser a favor da independência da Catalunha sem o devido sufrágio nacional e maioria dos votos. Entendi que são engajados e conscientes de seus direitos e deveres políticos e que o governo se manifesta para seu povo entendendo esse engajamento e o sentimento de cidadania vigente entre os madrilenhos.

(*)Adriana F. S. Oliveira é Bacharel e Mestra em Direito, Pós-graduada em Política e Relações Internacionais e Doutoranda em Educação pela Unesp de Rio Claro.

As lições a serem aprendidas com o lago do Parque das Nações Indígenas
“Nesta terra molhada”, após 5 meses com inúmeras iniciativas, do governo e sociedade, o lago artificial do Parque das Nações está voltando a produzir...
Gestão pública é o caminho contra a corrupção
A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974. Ou seja, esse mal é algo comum e enraizad...
A virtude da temperança
Não haverá Paz duradoura enquanto prevalecerem privilégios injustificáveis, que desonram a condição humana, pela ausência de Solidariedade, que deve ...
MS: Um novo salto de desenvolvimento
A história de Mato Grosso do Sul não é uma linha reta. Ela vem sendo escrita, no curso do tempo, por diferentes protagonistas, por meio de um caminho...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions