A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Junho de 2018

03/08/2015 09:53

A tensão sobre a advocacia e o direito de defesa

Por Jully Heyder da Cunha Souza (*)

Nesta semana, a advogada Beatriz Catta Preta, conhecida por atuar na defesa de vários réus da operação Lava-Jato, escancarou para todo o Brasil a grande crise de credibilidade e de imagem por qual passa a advocacia brasileira.

Em um dos ataques mais virulentos à profissão desde a ditadura militar, a CPI da Petrobrás colocou na alça de mira a advogada que atuou nas delações premiadas, as quais implicam vários detentores do poder. Acuada, a profissional tomou uma atitude radical: renunciou a todas as procurações e encerrou sua carreira.

O que fez a CPI, ao confundir a atuação da advogada com seus clientes, transformando-a de defensora em investigada, é o que vem acontecendo de maneira prosaica em todo o Brasil, desde as delegacias de Polícia até os Tribunais. Não são raros os casos em que advogados são processados criminalmente, acossados e investigados por atos praticados na advocacia. Sigilo entre advogado e cliente é quebrado indistintamente e grampos são autorizados nos escritórios de advocacia. Enfim, são inúmeras as represálias inaceitáveis que o advogado vem sofrendo por defender os direitos constitucionais do cidadão e garantir a realização da justiça.

A diferença é que, no caso Catta Preta, a vindita ocorreu em situação de repercussão nacional, o que expôs de vez as feridas da nossa profissão.

O que não se tem considerado neste cenário, entretanto, é que, desconstruindo a advocacia, desconstrói-se igualmente a própria estrutura do Estado Democrático de Direito, que se ergue sobre garantias e liberdades constitucionais, somente realizáveis por meio da Justiça, inexistente sem o advogado.

A necessidade de se combater firmemente a corrupção é uma realidade no Brasil. Os níveis de “ladroagem” chegaram a patamares insuportáveis e a sociedade vem se levantando contra a impunidade, a qual é o combustível para a devassidão dos métodos da política brasileira. No entanto, temos que concordar que a investigação, o processamento e o julgamento dos envolvidos deve ocorrer dentro dos limites da Constituição, que assegura o amplo direito de defesa, através de um defensor, que deve ser independente e estar igualmente protegido para realizar sua missão. É somente pelo trabalho do advogado, por exemplo, que um inocente pode se livrar da mão pesada do acusador.

Desta vez, o STF foi acionado pela OAB e o Ministro Ricardo Lewandowisk proferiu uma respeitável decisão em que repreendeu a investida contra a advogada, assentando que “(...) é inadmissível que autoridades com poderes investigativos desbordem de suas atribuições para transformar defensores em investigados, subvertendo a ordem jurídica”.

Mas será que esta decisão isolada é suficiente para mudar o cenário da nossa profissão? Creio que não!
A atuação da OAB, como sói ocorrer nos últimos tempos, é consequencial e remediativa.

É preciso, portanto, que exista um esforço e um movimento para recobrar a imagem da advocacia, reconstruindo a consciência difusa acerca da relevância do advogado na sociedade, na realização da justiça, na igualdade, e na garantia de nossos direitos fundamentais, dentre os quais ganha maior relevo o direito de não ser punido ou desapropriado de seus bens sem o devido processo legal, a ampla defesa e o contraditório.

Mas a OAB somente conseguirá desenvolver este trabalho se tiver credibilidade institucional. O que somente alcançará atuando com coragem e independência tanto na cobrança de punição aos rapinadores da nação, quanto na defesa das garantidas constitucionais dos cidadãos e, sobretudo, da advocacia.

Quando a advocacia se enfraquece, como agora, a tendência é que os direitos dos cidadãos também comecem a ser suprimidos, abrindo espaço para outras medidas autoritárias e totalitaristas. Será isso o que queremos e esperamos para o futuro da nossa nação?

(*) Jully Heyder da Cunha Souza, advogado

 

Servidor público da Previdência Social
Os servidores da Previdência Social, em especial aqueles que trabalham no INSS, estão totalmente sem norte, em virtude das mudanças políticas promovi...
A receita da sorte
Somos seres dependentes da repetição. Desde nossos processos biológicos à necessidade de se estipular uma rotina mínima para que a civilização funcio...
Condução coercitiva e os aspectos jurídicos
Em que pese tratar-se de temática absorta pela legislação processual penal desde a década de 40 (especificamente 1942, quando da entrada em vigor do ...
A carne mais barata do mercado é a carne negra
Os números apresentados pelo Atlas da Violência de 2018 mostram a agudização nas tendências do perfil de assassinatos cometidos no Brasil: a vítima é...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions