A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

10/11/2012 08:17

A tragédia da Funai

Por Kátia Abreu (*)

A morte sempre aflige e, na forma extrema do suicídio, converte-se em lamentável tragédia. É impossível deixar de ter compaixão, virtude cristã, quando nos defrontamos com um jovem indígena Guarani-kaiowá demitindo-se da vida.

Esta trágica realidade exige explicações e atitude da Fundação Nacional do Índio. O Estado é o guardião dessas vidas e a lei confere à Funai a missão de exercer, em nome da União, “a proteção e a promoção dos direitos dos povos indígenas”.

O desgosto dos brasileiros que dirigem seu olhar compassivo aos índios é que estamos todos diante de uma estrutura anacrônica e incompetente que, hoje, é de pouca serventia àqueles a quem deveria proteger. Esta é a Funai dos nossos dias. Incapaz de interpretar os anseios dos índios e garantir-lhes a vida.

A ineficiência se agiganta porque a Funai acumula competências que transitam pelos três Poderes da República.

É simplificação irreal e equivocada resumir o drama por que passam os 170 índios da etnia Guarani-kaiowá, a uma simples demanda por terra. As carências dos índios, inclusive estes que hoje ocupam dois hectares de uma fazenda no Mato Grosso do Sul, é muito mais ampla. Falar em terra é tirar o foco da realidade e justificar a inoperância do poder público.
O índio hoje reclama da falta de assistência médica, de remédio, de escola, de meios e instrumentos para tirar o sustento de suas terras. Mais chão não dá a ele a dignidade que lhe é subtraída pela falta de estrutura sanitária, de capacitação técnica e até mesmo de investimentos para o cultivo.

A triste realidade atual é que os índios estão mal assistidos e os produtores rurais, desamparados. Os empreendedores do setor agropecuário possuem títulos de propriedade regularmente concedidos, em obediência às leis que regem nosso País. A luta para colocar alimento mais barato na mesa do brasileiro não é travada por usurpadores e invasores de terras, como querem fazer crer algumas ONGs nacionais e internacionais e alguns movimentos sociais.

As terras indígenas ocupam 12,64% do território nacional. São, ao todo, 109,7 milhões de hectares, segundo dados da Funai. Vivem aí 517,3 mil indivíduos, segundo o IBGE.
Já as terras agrícolas, ocupam 39,2% do território nacional, fatia que cai para 27,7% sem as áreas de preservação ambiental. Entre proprietários, seus familiares e empregados do campo, são 16,5 milhões de pessoas.

A menção a estes números não embute nenhuma objeção da CNA à eventual ampliação das áreas reservadas aos povos indígenas. Se for da vontade do governo e do povo brasileiro dar mais terra ao índio, que o façam. Mas não à custa dos que trabalham duro para produzir o alimento que chega à mesa de todos nós.

É hora de alardear um fato absurdo que, não tenho dúvida, é desconhecido pela maioria dos cidadãos. O que tensiona a relação entre índios e fazendeiros, que antes da Constituição de 1988 já ocupavam legalmente as terras em que produzem, é a injustiça praticada pelo Estado.

Quando o governo destina áreas à reforma agrária, indeniza o proprietário pela terra e pelas benfeitorias. Já quando subtrai o chão há décadas cultivado pelo produtor, somente as benfeitorias lhe são restituídas. Ocorre aí uma expropriação criminosa de terras produtivas e o fazendeiro, desesperado, tem que abandonar a propriedade com uma mão na frente e outra atrás.

O que se quer é o fim de uma prática em que os governos trabalham com dois pesos e duas medidas. Na desapropriação de terras para reforma agrária, o INCRA utiliza-se da Lei 4.132, que prevê compra de terras com pagamento em dinheiro. Bem diferente da Funai, que em vez de solucionar os conflitos, atua para potencializá-los.

*Kátia Abreu é senadora (PSD/TO) e presidente da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil).

Muito, pouco
No dia 3 de maio de 2016, foi promulgado o Decreto nº 8.737, que institui o Programa de Prorrogação da Licença-Paternidade para os servidores público...
A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...



concordo com a senadora quando fala em inoperancia do estado. porém acredito que so teremos uma nação mais justa quando houver a divisão da riquesa do pais e isto começa pela terra.
 
ricardo pallaoro em 10/11/2012 17:37:37
A política indígena no Brasil é uma VERGONHA, há séculos. Nunca houve coragem e competência de governo nenhum em resolver o problema. Paternalismo e tentativas de manter o índio confinado em suas "reservas", como se fossem animais incapazes de viver em sociedade como cidadãos brasileiros, só foi aumentando a bomba relógio que mais cedo ou mais tarde explodiria. Pessoas de ampla visão como a Senadora Kátia Abreu são raridade nesse debate, dominado por ONGs e interesses obscuros. É preciso urgentemente tirar as cortinas de fumaça e ir ao centro da questão: não adianta dar terras e mais terras para os índios e deixá-los passando fome, sem saúde, educação e cidadania. Terras adquiridas legalmente precisam ser justamente indenizadas para dá-las aos índios, é óbio. Parabéns à Senadora.
 
Paulo Lemos em 10/11/2012 11:52:41
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions