A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

08/02/2015 09:00

Algo estranho está se formando

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

Na população em geral cresce a consciência de que na trajetória da humanidade algo estranho está se formando. Não se sabe exatamente o que é, mas observa-se que a crise financeira e econômica estende seus tentáculos e com ela vem o desemprego e a crise social. Paralelamente forma-se, por todo o planeta, a generalizada crise ecológica.

É muito triste olhar para o leito seco de rios e represas ressecadas; é como se a corrente sanguínea da natureza estivesse sendo interrompida e a vida indo embora, enquanto que no tecido social, aumentam os eventos violentos e desesperadores.

Nesta fase da vida é indispensável nos posicionarmos em relação à busca de melhores condições no país e no planeta, pois se recebemos a Terra pronta com todas as condições essenciais para assegurar a vida, também recebemos o dever de beneficiar tudo ao nosso redor.

Com uma população superior a sete bilhões, a vida no planeta está seriamente ameaçada pela exaustão dos recursos naturais, destruição das florestas e poluição química que afeta toda a cadeia alimentar. E o que dizer dos oceanos, considerados inexpugnáveis, mas que agora se mostram cada vez mais comprometidos pela degradação causada pelo lançamento de todos os tipos de lixo e dejetos.

A lei natural da reciprocidade está dando aos humanos o mundo áspero que eles forjaram com o seu egoísmo e apego ao materialismo, desprezando tudo o mais. Atualmente, as misérias e catástrofes se encontram em progressão lançando sombras sobre o futuro. Os grandes grupos econômicos apoiam políticos. Nada a opor quanto à associação entre eles, desde que busquem a continuada melhora nas condições gerais de vida em vez de ficar cuidando exclusivamente de interesses particulares. Os socialistas atribuem as mazelas econômicas e sociais ao capitalismo, alegando que os rendimentos do capital crescem com taxa superior à do crescimento do PIB, gerando, consequentemente, o aumento da desigualdade.

Calcula-se que 1% da população seja detentora de 50% da riqueza total. No entanto, por trás de cada regime está o ser humano tecendo os fios do destino com as suas livres resoluções. Se a semeadura é livre, já a colheita é obrigatória. As engrenagens das finanças e da economia funcionam todos os dias por 24 horas sem parar. Na vida corrida não há tempo para as pessoas refletirem, nem para a natureza se regenerar.

Dramaticamente muita coisa está sendo divulgada pelo mundo sem que se tenha a possibilidade de checar se é falsa ou verdadeira. De todos os lados surge uma enxurrada de informes negativos que mantêm a massa em suspensão, sem parar para refletir seriamente sobre a vida, atualmente transformada em produto de consumo no ciclo: nascer, crescer, buscar prazeres no consumismo e aguardar o desenlace fatal, sem que nesse período surjam oportunidades para aspirações mais elevadas. Na ausência de um ideal nobre, a população decai e embrutece. Grupos de contestação agindo com violência vão surgindo, intranquilizando ainda mais.

O ser humano agarrou-se ao mundo material, esquecendo-se da transitoriedade da vida. O dinheiro se tornou a quinta essência do materialismo, e em função da ânsia do ganho, tudo o mais está sendo menosprezado e prejudicado por pessoas individualistas sem solidariedade e que só pensam em si mesmas e em seus egoísticos objetivos.

Não há interesse em estabelecer um sistema de vida simples e natural sem agressão ao meio ambiente e sua sustentabilidade. Com o afastamento do espiritual, o fluxo da energia beneficiadora da Luz ficou interrompido. A solução está na busca sincera da espiritualidade.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, e associado ao Rotary Club de São Paulo. Realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros “ Conversando com o homem sábio”, “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”, “O segredo de Darwin”, e “2012...e depois?”. E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions