A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

23/05/2014 10:27

Aos eleitores livres

Por Reinaldo Azambuja (*)

Em respeito aos fatos, à história e, principalmente, à população campo-grandense, sou obrigado a fazer alguns reparos ao recente artigo publicado na imprensa de autoria do ex-prefeito Nelson Trad Filho.

O libelo bate na tecla de suas costumeiras críticas aos desarranjos administrativos que vem atingindo Campo Grande nos “quase dezoito meses” após a vitória eleitoral de Alcides Bernal, carregando o ranço das tradicionais disputas eleitorais.

Trad faz do ataque irado contra tudo e todos um gesto de defesa desesperado de seus próprios erros. A sociedade não é ingênua. Mesmo que suas críticas ficassem restritas aos equívocos cometidos pelo seu sucessor, apontando falhas de gestão, incapacidade para fazer composições políticas e inexperiência administrativa, tudo bem, seria uma postura democraticamente aceita porque tem respaldo na realidade.

O único porém – esse é o ponto – é que ele esqueceu de comentar que, na origem desse processo, residiu a escolha soberana do eleitor.

Neste aspecto, espertamente, Nelsinho evita tocar no assunto. O ex-prefeito do PMDB desconsidera que, no pleito eleitoral de 2012, a população avaliou e julgou exatamente a sua administração. E a reprovou. Do contrário, se ela fosse um sucesso, certamente o eleitorado teria optado pela continuidade, escolhendo o candidato que apoiou para sucedê-lo. Mas não foi isso o que aconteceu. O que deu errado, então?

Sua explicação, neste ponto, chega a ser risível: ele atribui ao PT em conluio com o PSDB a promoção de um “estelionato eleitoral”, fraudando – pasmem! – a “boa-fé da maioria dos campo-grandenses ao convencê-los de que votavam no novo”.

Esse é o cerne da questão. O nosso ex-prefeito desvia o foco do debate ao tentar atribuir a dois partidos a culpa pela decisão majoritária do povo. Ele esqueceu de dizer que a sociedade estava cansada da hegemonia do PMDB. Preferiu mudar. Simples assim.

Só que seu artigo deixa impressão de que, para ele, o eleitor não tem autonomia de decisão. Mas é o eleitor, e somente ele, que pode decidir livremente quem deve governar. Isso é democracia, gostem ou não. Diferente das escolhas feitas com base no mandonismo dos “caciques”, na velha tradição oligárquica dos currais. É incrível como ele não concebe até hoje que as pessoas pensam por si mesmas e tem capacidade de decidir (reforço, certo ou errado) aquilo que lhe convém no momento do voto.

Atualmente, com o avanço da democracia, respaldada por um intenso fluxo de informação, o eleitor é sujeito de sua própria história. Cabe a nós, políticos, tentar conquistá-los com propostas, ideias, valores e princípios.

Mais importante ainda: temos por dever moral ouvir suas demandas de maneira aberta e discutir as melhores soluções para os problemas apresentados. Quem imagina que pode manipular a vontade das urnas com alguma “trama eleitoreira” tem a cabeça voltada para a velha política e ainda não compreendeu claramente a essência dos novos tempos que bate à nossa porta.

Ademais, se a realidade fosse de fato como quer Trad, seria justo pensar no conceito de “estelionato eleitoral” aplicado a ele próprio, ao médico Nelson Trad Filho, que foi eleito prefeito carregando consigo um claro compromisso com a saúde pública que jamais se consumou em nossa cidade.

Somos, sabe ele bem, portadores de um dos piores serviços de atendimento à saúde entre as capitais do País.

(*) Reinaldo Azambuja é deputado federal pelo PSDB e coordenador do Pensando MS.

Aos sul-mato-grossenses
Para quem teve o privilégio de governar nossa querida Cidade Morena por oito anos, dói e constrange constatar a perplexidade social ante o estado de ...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions