A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019

19/07/2017 09:17

As transformações socioespaciais no Centro-Oeste e a expansão de Brasília

Por Aldo Paviani (*)

A Marcha para o Oeste, preconizada pelo governo Vargas, foi processo concretizado nos últimos 60 anos. A ideia central era povoar o interior, sobretudo o Centro-Oeste, onde era incipiente a ocupação do território, e promover o desbravamento da fronteira agrícola. O processo teve período de pico com a construção de Brasília, a partir de 1957.

Os mapas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram o sucesso do deslocamento da mancha populacional e urbana para o interior. Esse povoamento resultou no avanço do agronegócio, com sacrifício dos biomas, que foram perdendo terreno. Por isso, deve-se redobrar os cuidados ambientais, pois o cultivo da soja e a criação de gado avançam.

Essas atividades se caracterizam por ter fome de terras, ocupando grandes extensões do Centro-Oeste, chegando às fímbrias da Amazônia. A mídia anuncia desmatamentos e queimadas de porções da floresta, que sacrificam espécies vegetais e animais, muitos em extinção.

Além dos aspectos ambientais, nota-se intenso povoamento urbano, em lugares que funcionam como entrepostos e fornecimento de insumos para a pecuária e a agricultura. Além disso, a estocagem de soja e de carnes requer meios de escoamento e infraestruturas, estradas e ferrovias, ainda em construção.

Nos anos 1990, houve demanda de mão de obra no Centro-Oeste, ocasionando migração de trabalhadores. Com isso, as cidades incharam, como é o caso de Campo Grande, Rondonópolis, Goiânia, Cuiabá e Anápolis. Na última, houve instalação de indústrias de variados portes. Foi construído aeroporto de cargas, com duplicação da rodovia Brasília-Goiânia.

Com a implantação da capital federal, revigoraram-se as correntes migratórias para atender a construção civil. Nos últimos anos, houve redução migratória, que não chegou a evitar o exagerado crescimento vegetativo. De fato, a Codeplan (Pdad/2015) estima que, dos 2.906.574 habitantes do Distrito Federal (DF), 1.421.808 aqui nasceram e 1.484.808 pessoas migraram de outras unidades da Federação.

Portanto, há certo equilíbrio entre o crescimento populacional interno e a atenuação do ímpeto migratório de 40 ou 50 anos passados. Isso não afasta a preocupação com o exponencial crescimento de Brasília e de seu colar metropolitano, com mais de 4 milhões de habitantes.

A escala urbana do DF se agigantou, sendo uma das grandes cidades brasileiras - metrópole nacional - segundo o IBGE. Todavia, a expansão demográfica não se fez acompanhar de diversificação de atividades econômicas de igual envergadura.

Em outras palavras, as pesquisas revelam que, desde muito tempo, está o DF refém de atividades terciárias e quaternárias públicas e privadas. Por injunções várias, o setor industrial é incipiente e tem potencial de expansão. Nesse caso, deve-se dar especial atenção ao ambiente natural.

Nas últimas décadas, o DF apresentou elevadas taxas de desemprego, atingindo 132 mil pessoas ou 16,5% em 1996. Em 1997, os desempregados eram 156.600, ou 18,1%, conforme Pesquisa de Emprego/Desemprego (PED/Dieese, 1997).

A curva dos desempregados se mantém ascendente: passados 20 anos, o número de desempregados quase foi multiplicado por dois - 338 mil, ou 20,4% da população economicamente ativa (PEA) de maio de 2017 (PED/Dieese/Codeplan/Setrab).

Nessas duas décadas, a PEA se ampliou: era composta de 861.400 pessoas, em 1997, e, em 2017, chegou a 1.658.000 pessoas com idade acima de 14 anos. Isto é, chegamos perto de uma duplicação de números, o que exige economia diversificada e robusta para que as atividades ganhem terreno.

O perfil de empregos, estabelecido ao se inaugurar Brasília, se esgotou nesse percurso de 57 anos. Em recente estudo da Codeplan (Idecon/1º Trimestre/2017, p. 7), constata-se que "o setor de serviços é o maior responsável pela dinâmica econômica do DF, representando 92,9% da economia".

Esse setor chegou ao limite de expansão, tornando-se insustentável. Também será incontrolável, em razão da grave crise nacional que se abate sobre o DF, por sua dependência do poder central. Fechada a torneira dos gastos e dos investimentos federais, a crise será ampliada.

Diante desse quadro e da estimativa de emprego apontada pela PED, as localidades mais carentes e distantes do DF apresentam desemprego mais preocupante. Pelo exposto, considera-se necessário olhar o futuro com planejamento de médio e longo prazos para o DF.

Em resumo, como será o futuro? Como projetar mudanças ou transformações nas estruturas socioespaciais para ampliar a qualidade de vida dos habitantes desta grande região, em especial de Brasília?

(*) Aldo Paviani é professor emérito da Universidade de Brasília e Pesquisador Associado Departamento de Geografia e do Núcleo de Estudos Urbanos e Regionais (NEUR/CEAM/UnB). Graduado em Geografia e História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e Livre Docente/doutor pela Universidade Federal de Minas Gerais. Tem experiênica em Geografia Urbana, atuando principalmente nos temas: urbanizacão em Brasilia, gestão do território, planejamento urbano, exclusão socioespacial e emprego/desemprego em áreas metropolitanas.

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions