A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017

02/04/2016 08:10

Aumento da desigualdade social e outros equívocos do Governo Dilma

Por Ricardo Senna (*)

O fundamento da política de estabilização econômica desencadeada durante o Governo Fernando Henrique Cardoso consistia no reconhecimento de que a inflação era o pior de todos os impostos, pois penaliza, especialmente, aqueles que não tinham acesso a mecanismos de proteção da renda, ou seja, os trabalhadores.

Nesse sentido, o Plano Real foi exitoso tanto no combate como no controle da inflação. Além disso, pavimentou os caminhos urgentes e necessários para o estabelecimento de uma política social estruturante, inclusiva e que permitiu conquistas importantes para os trabalhadores como, por exemplo, os ganhos reais dos salários e uma rede de proteção social.

Infelizmente, por incompetência técnica e incapacidade política, o Governo Dilma destruiu todas as principais conquistas sociais dos trabalhadores: o desemprego aumentou, a desigualdade social foi agravada, aumentou a concentração de renda, a inflação não só voltou com força como deteriorou o poder de compra dos salários e, como se isso não bastasse, foram severamente contingenciados os recursos para as áreas da educação, saúde e segurança pública.

Mas não para por aí. O Governo Dilma jogou o país na pior recessão da sua história e impôs uma crise fiscal para os estados e municípios, aprofundando as desigualdades regionais e minando as perspectivas de desenvolvimento das regiões menos favorecidas.

Mato Grosso do Sul não ficou imune a esse caos político e econômico: o desemprego aumentou, a renda caiu e a economia perdeu dinamismo. O resultado só não foi pior em função dos esforços do governo estadual em promover um ajuste das contas públicas para equilibrar as finanças e evitar uma piora da situação econômica.

Além disso, foi realizado um esforço inédito de planejamento visando o uso racional dos recursos públicos e efetividade da política pública, foi construído um ambiente mais amigável à realização dos investimentos privados e, principalmente, foram priorizadas ações convergentes com os anseios manifestados pela população que mais precisa.

A experiência política, econômica e social vivida pelo país recentemente nos revela um modelo de desenvolvimento que se esgotou e um governo incapaz de construir as pontes necessárias para nos livrar da crise.

As recentes manifestações populares mostram que o caminho é pela mudança dos rumos políticos, econômicos e sociais do país. A saída é pela construção de um novo projeto de desenvolvimento para o país que possa resgatar os ganhos que a sociedade, em especial, para os trabalhadores. Ouvir as vozes que vêm da rua é essencial para que possamos transpor as barreiras que nos impedem de nos tornarmos uma nação verdadeiramente estável economicamente, fortalecida institucionalmente e justa socialmente.

(*) Ricardo Senna é diretor-presidente do Instituto Teotônio Vilela – MS

Inteligência espiritual
Parece-me que há alguns estudiosos de psicologia que costumam misturar ciência com religião, duas atividades mentais bem distintas, com metodologias ...
A regulamentação do Lobby no Bra
Desde 1989 o Projeto de Lei do Senado que propõe regular a atividade de Lobby no Congresso Nacional, PLS 203/89 de Marco Maciel (DEM- PE), está no Co...
Desarranjo planetário
Enfrentamos um desarranjo global na gestão pública. Os líderes se afastam da ideia de que são responsáveis por imprimir melhora geral na qualidade hu...
Tudo pelo cliente
Muitas pessoas me perguntam como é o meu dia a dia, como é administrar uma das marcas mais valiosas e admiradas do Brasil. Posso dizer, sem falsa mod...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions