A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

27/03/2018 07:21

Brasil: fechado para reformas

Por Rogério Borili Pereira (*)

Em ano de eleição o País parece estar fechado para aguardar, com muitas expectativas, o próximo governo que vai ocupar o Palácio do Planalto e dar início às reformas que ainda precisam acontecer para voltar a funcionar. Mais que nunca é preciso continuar com as reformas pendentes para atrair mais investimentos e tornar o Brasil um mercado mais organizado, confiável e competitivo.

O primeiro passo à frente já foi dado com a implantação da Reforma Trabalhista. Porém, por mais que ela tenha vindo para modernizar e flexibilizar as ultrapassadas leis trabalhistas, o governo ainda enfrenta dificuldades para esclarecer todos os seus pontos.

Evidente que trouxe atualizações importantes, como as regras do trabalho remoto – agora possível – e também a importante possibilidade de terceirizar serviços na atividade fim das empresas, mas é preciso complementar as regras para não deixar dúvidas de como as empresas devem aplicá-las criando ainda mais insegurança jurídica.

As principais mudanças ainda são aguardadas pelas empresas. O alto custo da folha de pagamento ainda não foi alterado e é justamente aí que podemos "destravar" o sistema e incentivar a geração de novos empregos. Isso ainda não teve uma solução.

As regras foram alteradas, atualizadas, melhoradas, mas ainda não se refletem positivamente sobre os custos de contratação de empregados. Essa é a grande mudança que esperávamos e não aconteceu.

As reformas precisam deixar de simplesmente "tapar buracos" para se tronar oportunidades de redução de custo e geração de emprego, o que movimenta a economia do País.

Mesmo diante de tantos ajustes - fundamentais para nossa economia sair da fase imatura e passar a ser o "País do Futuro" de fato - vivemos a expectativa pela Reforma Tributária, que se encontra hoje no momento mais alarmante, emperrada por falta de ambiente político para acontecer. Para piorar, a intervenção de segurança no Rio de Janeiro impede que o governo dê andamento a esse processo, por força de lei. "Cobrimos um santo" e deixamos descoberto todo o País.

Essa discussão, tão importante para a prosperidade do nosso Brasil, infelizmente vai ter que esperar o próximo governo e o rumo que ele dará ao tema.

Às empresas e ao País cabe esperar que a discussão migre no sentido da simplificação tributária, com a redução do número de alíquotas do PIS e da Cofins, que variam, atualmente, conforme o setor de atividade.

Os projetos já em discussão sugerem mudanças em doses homeopáticas e que por isso deverão ocorrer a longo prazo. Mas, o fato é que precisam ser iniciadas o quanto antes para voltar a aquecer a economia. Ainda que com uma carga tributária injusta, somente a retomada da economia vai trazer fôlego para aguentar essa espera.

Do governo que virá, devemos exigir uma prestação de serviços públicos e benefícios compatíveis com a arrecadação do país, comparada com países de economias mais fortes.

O ideal é que a essa reforma traga para o mercado formal empresas que estejam à margem da tributação devido à burocracia. Ao mesmo tempo, possa beneficiar as que procuram estar com os impostos em dia.

Estamos no olho do furacão! E para sobreviver às incertezas, a sua empresa precisa estar se preparando para voltar a crescer, de "casa arrumada", com processos de redução de custos estruturados, transparentes e seguros.

É fundamental que a reforma também aconteça dentro de casa. Então não dá para ficar de braços cruzados. Pois, somente com essa base sólida, será possível enfrentar o "olho desse furacão" sem desmoronar.

(*) Rogério Borili Pereira é vice-presidente da Becomex. Engenheiro da Computação, responsável por desenvolver soluções que criaram processos inovadores na área tributária. 

 

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions