A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Outubro de 2019

04/06/2018 07:45

Carga de problemas a exigir soluções

Por Benjamin Salles Duarte (*)

No primeiro quadrimestre de 2018 o superávit nas exportações do agronegócio brasileiro foi de US$ 25,5 bilhões e a tendência histórica é que esse desempenho se repita até o final deste ano, apesar das graves consequências decorrentes da greve nos transportes e que devem ser avaliadas também na análise do segundo trimestre da economia brasileira. Os produtos mais perecíveis como as hortaliças, frutas e os legumes são os mais atingidos em níveis de regiões produtoras, entretanto, os suínos, as aves de corte e postura, bem como os produtores de leite engrossam essa lista do tamanho do Brasil, o que não exclui a bovinocultura de corte.

O fato concreto é que 61% das cargas brasileiras são transportadas por rodovias e não se pode desconsiderar o volume de produtos transportados numa extensa malha rodoviária que abastece o país queimando petróleo e pneus, onde não chegam as ferrovias e hidrovias, embora, no conjunto, sejam essenciais ao consumo, à vida de 213,4 milhões de brasileiros (Countrymeters/01/06/18/14:22 h/Google), e às exportações do agronegócio.

Esses cenários também abrigam as estradas e rodovias sem manutenção periódica, que poderiam duplicar minimamente o tempo de viagem, a depender da região, e elevar custos adicionais que serão pagos pelos consumidores finais onde eles estiverem. É legítimo lembrar os milhares de quilômetros de estradas vicinais, por onde também circulam os insumos agropecuários, produtos e as riquezas, que ficam intransitáveis durante os períodos chuvosos e resultam em consideráveis prejuízos para quem planta e cria.

Essa questão de logísticas operacionais simplesmente existe em qualquer lugar e em qualquer governo a exigir soluções, pois o tempo é precioso. Porém, no conjunto de outras atividades econômicas, os sistemas agroalimentares são extremamente sensíveis e que passam também pelas adversidades climáticas prolongadas ou não. Esse é um outro fato concreto, mensurável.

No comércio por vias internas o agronegócio brasileiro movimentou R$ 1,43 trilhão em 2017 e ao gerar milhões de empregos no campo e nas cidades, exportar para mais de 160 países, abastecer o mercado, assegurar alimentos indispensáveis à dieta humana e aos rebanhos de pequenos e grandes animais, fontes de proteínas nobres, controlar o processo inflacionário, reduzir o preço da cesta básica, estratégica, e se considerando também os 13,2 milhões de desempregados, que restringem o consumo de alimentos e outras despesas mínimas no dia a dia das famílias, que precisam ser pagas, com ou sem emprego!

Esse contingente de desempregados, à base 13 salários mínimos de R$ 930,00/ano, deixam de receber R$ 159,6 bilhões, que não são injetados na economia brasileira e seu corolário de consequências econômicas e sociais, com seus múltiplos efeitos em cascata. Se não fora o vigor do agronegócio brasileiro, apesar dos prejuízos substantivos, a crise no abastecimento seria muito mais grave à falta de alimentos suficientes para recuperar a defasagem entre a demanda aquecida e a oferta baixa por um período mais longo à falta de transportes de cargas para reposição de mercadorias.

Noutro cenário, as duas maiores potências mundiais são os Estados Unidos e a China, que também avança na produção de alimentos numa perspectiva de tempo, onde respectivamente existem 3,73 milhões de km de rodovias pavimentadas, 1,515 milhão, contra 222 mil km no Brasil (Dnit), e ao considerar todos os tipos de rodovias e estradas, os EUA têm uma malha de aproximadamente 6,8 milhões de km.

Além disso, as malhas ferroviárias somam 294 mil km nos EUA (2014); 124 mil, na China (2017); e 29,85 mil km no Brasil (2014), segundo o Index Mundi/2017. Podem-se citar alguns PIBs em 2016; EUA, US$ 18,03 trilhões; China, US$ 11 trilhões; e Brasil, US$ 1,77 trilhão (Banco Mundial). O agro brasileiro é o 2º do mundo, apesar dos entraves históricos neste país continental.

De outro lado, devem se contabilizar nos sistemas agroalimentares as perdas havidas na colheita, armazenagem, no transporte, na distribuição e no consumo, embora haja tecnologias redutoras desses desperdícios nos domínios dos produtos de origem animal e vegetal. São presumíveis avaliar as pressões por alimentos e água numa projeção de até 9,2 bilhões de habitantes em 2050, contra os 7,6 bilhões atuais. Projeção é uma perspectiva!

A tese do fim próximo da “Era do Petróleo,” por decorrência de outras formas de energia alternativa e num horizonte presumível de tempo, não se sustenta na prática e nas economias mundiais. A greve havida neste país revelou essa dependência indissociável da sociedade ao petróleo e derivados no viger desse século 21, e para além das fronteiras do Brasil, apesar dos avanços da energia solar, eólica, e na agro energia.

(*) Benjamin Salles Duarte é engenheiro agrônomo. 

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions