A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

27/12/2011 13:30

Deslocamento de julgamentos protege direitos

Por Walter Claudius Rothenburg*

A responsabilidade internacional do Brasil, especialmente com relação aos direitos humanos, é cada vez mais firme e evidente. Nosso país deve buscar evitar essa responsabilização, prevenindo a ocorrência de violações aos direitos humanos. Mas é também preciso que o Brasil assuma a responsabilidade por violações praticadas e cumpra efetivamente as determinações impostas em âmbito internacional.

A possibilidade de deslocamento, para a Justiça Federal, da competência para investigar, processar e punir graves violações de direitos humanos, quando as instituições e autoridades locais não consigam oferecer uma resposta adequada, apresentou-se como uma alternativa trazida pela Emenda Constitucional 45, de 2004, dita “Reforma do Judiciário”. Tendo em vista que a responsabilidade internacional cabe ao Estado brasileiro, representado pela União, há sentido em permitir que ela assuma, subsidiariamente, a competência interna relacionada a atentados contra os direitos humanos. Afinal, é o Governo Federal que responde por tais violações perante a comunidade internacional.

O incidente de deslocamento de competência, a ser decidido pelo Superior Tribunal de Justiça, caracteriza-se, por um lado, pela abrangência: ele cabe “nas hipóteses de grave violação de direitos humanos” (note-se que não ficou restrito ao cometimento de crimes), para “assegurar o cumprimento de obrigações decorrentes de tratados internacionais de direitos humanos dos quais o Brasil seja parte” (art. 109, § 5º, da Constituição). Uma crítica que se pode avançar diz respeito à imprecisão na definição de tais “graves violações”.

Por outro lado, o incidente caracteriza-se pela limitação de titularidade, pois somente uma autoridade brasileira pode suscitá-lo: o Procurador-Geral da República. Não há razão para a exclusividade e, em boa hora, foi apresentada a Proposta de Emenda à Constituição 80, de 2011, de autoria do Senador e professor de Direito Constitucional Pedro Taques, justamente para estender a legitimidade aos órgãos e autoridades indicados no art. 103 da Constituição. Dessa forma, aqueles que podem suscitar o controle objetivo de constitucionalidade, por meio de ações diretas, também poderiam propor o incidente de deslocamento: Presidente da República, Mesa do Senado Federal, Mesa da Câmara dos Deputados, Mesa de Assembleia Legislativa ou da Câmara Legislativa, Governador de Estado ou do Distrito Federal, Procurador-Geral da República, Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, partido político com representação no Congresso Nacional, confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional.

A pluralidade de legitimados é mais condizente com a democracia e permite que diversos sujeitos preocupados com os direitos humanos requeiram uma proteção mais eficaz em situações de grave violação. O Brasil é muito vasto, os direitos humanos são numerosos (bem como os tratados que deles se ocupam) e o desrespeito a eles infelizmente não é raro. A perspectiva de ampliação do círculo de intérpretes da Constituição orientou a Proposta de Emenda à Constituição, cuja justificação alude às “novas diretrizes de democracia participativa, segundo a qual a luta pela garantia dos direitos é tarefa de toda a comunidade política e jurídica”.

Aliás, a versão original da proposta que redundou na Emenda Constitucional 45/2004 previa uma titularidade compartilhada para o incidente de deslocamento de competência, entre “órgão federal de proteção dos direitos humanos” e o Procurador-Geral da República.

Não se trata de desprestígio do Chefe do Ministério Público da União, mas de reconhecimento dos limites institucional e pessoal de sua capacidade de trabalho e, sobretudo, da virtude democrática de uma participação ampliada em prol dos direitos humanos. A propósito, a exclusividade da atribuição do Procurador-Geral da República para propor ações diretas de inconstitucionalidade, como era antes, foi superada com a Constituição de 1988, que previu a competência concorrente de outros legitimados. Um resquício criticável dessa unilateralidade ainda se verifica em relação às representações interventivas (algumas hipóteses de intervenção federal e estadual). A legitimação ativa do incidente de deslocamento de competência deve inspirar-se no novo modelo ampliado e não no antigo modelo restritivo.

Nestes anos desde a criação do incidente, tivemos apenas dois casos, ambos envolvendo assassinatos: o da missionária norte-americana Dorothy Stang (por conta de conflitos fundiários no Pará), que foi rejeitado (IDC 1/PA, rel. Min. Arnaldo Esteves Lima, 08/06/2005); e o do vereador Manoel Mattos (combatente de grupos de extermínio na região entre Paraíba e Pernambuco), que foi acolhido (IDC 2/DF, rel. Min. Laurita Vaz, 27/10/2010). A atribuição para suscitar o deslocamento de competência para a esfera federal a todos os legitimados do artigo 103 da Constituição tende a contribuir para uma proteção mais efetiva dos direitos humanos e para um maior comprometimento internacional do Brasil.

(*) Walter Claudius Rothenburg é procurador regional da República, mestre e doutor pela UFPR e pós-graduado em Direito Constitucional pela Universidade de Paris II.

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions