A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

29/05/2014 08:35

Diplomas à vista

Por Luiz Gonzaga Bertelli (*)

Um país que pretende estar entre as grandes potências mundiais precisa investir em educação básica e, principalmente, nas áreas de ciência e tecnologia. Não existe outro caminho. Só assim não ficará à mercê da importação de técnicas e profissionais das nações mais desenvolvidas, o que encarece o custo das operações, tornando-se menos competitivo no mercado internacional.

Um ponto positivo, no entanto, verificado nos últimos anos, é o crescimento da educação superior no país. Em 2002, quase 2,5 milhões de pessoas se matricularam nas universidades, centros universitários e faculdades. Esse número passou para 5,14 milhões em 2012. O curioso é que em 2002, as universidades detinham o maior número de alunos. Dez anos depois a tendência se inverteu. A maioria dos estudantes estava matriculada nos centros universitários ou faculdades, que são instituições de menor porte, que não têm a obrigação do desenvolvimento de pesquisa e extensão. Geralmente, esses espaços são mais ligados à formação profissional, sem a pretensão de ampliar novos conhecimentos.

A expansão dessas unidades permitiu uma maior “democratização” do ensino superior, pois incentivou o acesso de classes com menor poder aquisitivo ao ensino superior. Sem a necessidade de amplos laboratórios e equipamentos específicos, essas faculdades podem cobrar mensalidades mais acessíveis. Os alunos mais carentes ganharam condições eficazes de inclusão com os programas federais do Prouni (bolsa para alunos de baixa renda) e com o Fies (Fundo de Financiamento Estudantil). Esses programas também permitiram a manutenção da saúde financeira das instituições, já que, pelo Prouni, as escolas particulares têm isenções fiscais, e pelo Fies, reduz-se o risco de inadimplência.

Ter mais jovens em cursos de graduação é salutar para o desenvolvimento do país, mas as instituições precisam investir na qualidade dos cursos para a formação de profissionais cada vez mais qualificados, que possam contribuir, de forma decisiva, para o crescimento econômico e social da nação.

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions