A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 26 de Junho de 2017

04/05/2013 09:16

Discriminações contra polícias Civil e Federal

Por Ruy Sant’Anna (*)

Os comentários e notícias que tomaram a atenção da população brasileira sobre a PEC 37, que trata do direito e responsabilidade de abrir inquérito criminal, querendo ajudar, e não conseguindo, tem deixado a sociedade confusa e até descrente de algum final feliz.

É verdade, alguns amigos já me indagaram sobre essa confusão que veio ao conhecimento público. A insegurança, a confusão que observo, é coletiva e abrange todas as Instituições envolvidas no debate.

Afirmar-se que a Polícia Civil e Federal é dominada pelo poder político nas suas atribuições, é, no mínimo temerário. Se há a possibilidade da mão política, e outras acusações generalizadas contra as ações dos policiais civil e federal, no lado dos promotores e procuradores, do COAF e Previdência Social também se poderia aventar a hipótese controversa de abuso no manu investigatório. Pela vaidade; pelo abuso ou exagero de incriminar primeiro, sem antes investigar até final determinado procedimento.

As citações acima relativas a todas as Instituições envolvidas nesse debate podem e têm de ser contestadas pelos honestos, íntegros, competentes e eficazes membros das Polícias Civil e Federal, do Ministério Público Estadual e Federal, COAF e Previdência Social.

Esses dois últimos que menciono: COAF e Previdência Social têm prestado bons serviços de investigações que têm esclarecido crimes contra a administração pública. Mas, também precisam de ordenamento para se evitar ou pelo menos diminuir a confusão jurídica, para a tranquilidade da sociedade e não se instale até o temor de inquéritos inadequados e escutas telefônicas, não autorizadas pela justiça.

As inverdades e emocionalismos tem que parar pelo bem da sociedade. Afinal, em todas as profissões existem os estropícios de caráter ou desvios de conduta e nem por isso se pode incriminar toda Instituição, aleatoriamente.

Afinal, o presidente da Câmara Federal, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), deu um importante passo para a pacificação. Decidiu rediscutir a proposta de emenda à Constituição. Promoveu uma reunião com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo e decidiu pela criação de um grupo de trabalho que terá 30 dias para analisar e propor um texto alternativo à PEC. Objetiva-se aperfeiçoar a emenda à Constituição com proveito, sobretudo para segurança da sociedade e pacificação constitucional.

Dúvidas não cabem mais. Tem quem advoga a possibilidade do Ministério Público realizar ou assumir a investigação criminal.

Mas, ninguém fala em dar qualidade, rapidez e eficiência ao inquérito, com melhores salários e garantias ao delegado de policia.

Ora, a Constituição é clara no seu artigo 144, deferindo a Policia Judiciária a direção do inquérito policial, sob a presidência de um delegado. Por outro lado, não se deve dispensar o trabalho do Ministério Público, nem do COAF e da Previdência Social. Tem que se estabelecer a união e o entendimento, com definições de atribuições.

Sobretudo, tem que se dar às Polícias Civil e Federal a autonomia funcional, irredutibilidade de vencimentos e a inamovibilidade, direitos garantidos às demais Instituições. Mas o ministro da Justiça, nem o presidente da Câmara tão pouco nenhum deputado federal fala sobre essa solução.

Assim, acredito que mesmo com a pacificação entre as Instituições, restará o sapato alto para o Ministério Público, COAF e Previdência Social, e o tamanco para as Polícias Civil e Federal que continuarão discriminados.

Se os delegados civis e federais tivessem autonomia funcional,irredutibilidade de vencimentos e a inamovibilidade as investigações chegariam a seus finais, sem críticas e com apoio da sociedade brasileira. Acreditando que esse é o caminho que finalmente o Congresso Nacional trilhará, dou às Instituições relatadas neste artigo e à sociedade brasileira, o meu bom dia, o meu bom dia pra vocês.

(*) Ruy Sant’Anna, jornalista e advogado

Parlamentar com 8 inquéritos é membro do Conselho de Ética
O país das excelências tem vergonhosamente assentado em Conselhos de Ética políticos que desmerecem o nosso respeito, a nossa consideração, pois enve...
Heróis brasileiros
A cultura é uma lente através do qual as pessoas se encontram no mundo. Infelizmente para esse assunto, não encontramos uma rica literatura mas encon...
Metodologias ativas: a escola atenta a seu tempo!
Não faltam indicadores educacionais para avaliar a qualidade da educação nos âmbitos nacional e internacional. E os resultados não têm sido positivos...
Como empresários e autônomos garantirão futuro com as mudanças previdenciárias
Ter condições de se aposentar se tornou algo mais complicado no Brasil. As reformas propostas, a condição econômica em que o país se encontra, tudo i...



Diria o Joaquim: "O leitor não merece uma coisa dessas!". Será que esse cara mora no Brasil? Ora, a corrupção carreia célere nas polícias, em especial, nas polícias civis. Além de não terem estrutura, o elemento humano é desqualificado e corrupto, a começar dos delegados. Muitos, frustrados por não conseguirem êxito em concursos para cargos de maior relevância, defendem o escatológico inquérito policial, pois dele dependem para sua "sobrevivência". Prerrogativas constitucionais? Seria o ideal, a partir do momento em que grande parte dos delegados da polícia civil fossem para o "pijama". Mas, e a estrutura digna? Conseguirão com a maldita PEC 37? Isso seria essencial, mas sem ter de "patrolar" outras instituições. Aliás, querem as prerrogativas? Sejam juízes ou do MP!
 
Aluisio Marques em 07/05/2013 11:21:18
Esta PEC só interessa ao corporativismo das polícias e aos advogados, que sempre tiveram seu trabalho facilitado pelas deficiências das polícias e pela mordaça que o artigo tenta encobrir. Veja as estruturas das delegacias, efetivo e outras condições tanto das polícias civis como Federal e até militar, que apesar de boa vontade, não consegue realizar seus trabalhos adquadamente. Alguém já ouviu algum superior de tais instituições reclamarem? tente um repórter perguntar sobre efetivo e estrutura? Ah! tá bom! agora vá e converse com os policiais sem os holofotes, que eles contam a realidade, pois recebem a culpa, por tudo, quando, tem pouca responsabilidade no que está aí. (veja o efetivo previsto para a década de 90 e veja o efetivo hoje, para ficar só nesta deficiência).
 
Bruno Baque em 04/05/2013 12:39:53
Mudar para quê? A sociedade não aprovou, então porque mudar. Quem tem interesse em essas mudanças? Qual objetivo? Hum....
 
robson souza em 04/05/2013 09:56:32
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions