A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

28/12/2016 10:08

Dívida nas finanças e na educação

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

Com o aumento da dívida e dos juros, o efeito está sendo o empobrecimento geral, pois grande parte das aplicações baseadas na taxa Selic vem de fora, e para fora vai o rendimento, muitas vezes engordado com a diferença cambial entre a entrada e a saída com dólar mais barato. Estamos na ressaca da gastança sem metas adequadas para a sustentabilidade, fora os desvios e superfaturamentos.

Mas, se de um lado há a precarização e cortes nos salários congelados, por outro, os preços vão subindo, o que reduz o consumo ainda mais. São os enigmas do dinheiro que deveria estar circulando com juros compatíveis. A unilateralidade do foco no aspecto financeiro está retirando a vitalidade da economia.

Temos problemas graves: descontrole nos gastos, desvios, contas externas sem planejamento e déficits cobertos com aumento das dívidas. Com os juros abusivos, o meio circulante encolhe e tudo se deprime a começar pelos empregos numa economia globalizada onde sobra capacidade ociosa. Se o governo injetar dinheiro no sistema, onde irá parar com a forte atração da Selic?

O economista Bresser Pereira ressaltou a ferida que fragilizou a economia interna: o descontrole da conta corrente do país e dos déficits externos, pois não basta uma lei de responsabilidade fiscal; é preciso respeitá-la e também manter a correspondente responsabilidade do equilíbrio das contas externas. Com pequenas variações, a economia tem sido movida com foco direcionado para o acúmulo de riqueza que se beneficia quando há vínculos com a autoridade, estabelecendo relações entre o dinheiro e o poder. Algum dia isso se tornará insustentável, pois o desequilíbrio do sistema vai aumentado com as vantagens pessoais e de grupos, enquanto tudo o mais fica descuidado.

A China especializou-se na produção de tudo com ganhos de escala. Agora está tendo início uma onda de choques que poderão gerar alguma forma de remanejamento. O mundo estaria melhor se os países tivessem visado o aprimoramento da produção para atender primeiro ao mercado interno e gerar empregos, renda, receita tributária, exportando os excedentes. Mas prevaleceu um novo mercantilismo que visa o acúmulo de dólares.

É muito provável que a primazia nas finanças tenha gestado esta economia de mercado mesclada com o capitalismo de estado, aliando o livre comércio ao câmbio manipulado e mão de obra barata, alterando a estrutura econômica e as linhas do poder.

Há um aparato fortalecendo o poder econômico-financeiro, mas ao mesmo tempo, a humanidade vai se robotizando e perdendo essência. No Brasil, a classe empresarial está fragilizada, há tempos não surge uma geração de estadistas sérios, capaz de planejar um futuro melhor. Com isso, não se fortalece o preparo da população. São fatores que ameaçam o futuro, inviabilizando o país.

Prefeituras, estados, empresas estatais e União, fazem gastos sem atentar para as consequências. Agora a ilusão acabou; não há dinamismo e os empregos estão indo embora, o despreparo da população é grande, e a classe política só tem olhos para se perpetuar no poder. Estamos enfrentando a congestão de tudo e, ao lado dela, o apagão espiritual e mental, a falta de bom senso e iniciativa. Educar para o século 21 exige foco na melhora da qualidade humana. Temos de fugir da crescente robotização paralisante que sufoca as individualidades e contribui para formar uma geração apática e sem a imprescindível força de vontade voltada para o beneficiamento geral das condições de vida.

O grande desafio do mundo atual está no desequilíbrio geral no relacionamento entre os povos e nações; entre a humanidade e o meio ambiente; entre o lazer e o aprendizado para a vida. Urge incentivar a formação de uma geração forte. Sem dúvida, os grandes desafios do século são a educação e o restabelecimento do equilíbrio.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, articulista, palestrante e escritor

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions