A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 25 de Junho de 2019

13/06/2019 08:00

Educação moral no seio familiar

Por Acedriana Vicente Vogel (*)

A relação dos sujeitos com as regras, princípios e valores, elementos constituintes da moral, tem se apresentado como alvo de grandes questionamentos. A escola pode e deve colaborar nessa empreitada, organizando ambientes onde o modo de vida democrático oportunize a vivência da cidadania, para o nascimento do respeito mútuo e para o desenvolvimento da autonomia. Porém, a família tem um importante papel nesse contexto. Turiel, psicólogo especialista em desenvolvimento, elencou em seus estudos três tipos de educação moral no seio familiar, que podem ajudar os pais na compreensão das conseqüências das suas posturas educativas em relação aos seus filhos.

O primeiro tipo pode ser chamado de "educação autoritária", pois se assenta na imposição de regras que são legitimadas por meio de frases como “faça isso porque eu sou seu pai (ou sua mãe)”, “obedeça, porque eu sei o que é melhor para você”, reafirmando uma autoridade sábia e inconteste. Articulado a esse tipo de posicionamento encontramos as sanções expiatórias (que reafirmam o poder da autoridade e causam algum tipo de “dor”) ou de ameaças: “se você não fizer isso, não vai poder usar o computador”, “se não obedecer, esse final de semana você fica em casa”, etc. Essa é, sem dúvida, uma postura clássica da educação moral familiar fortemente contestada, nos últimos anos, por educadores e filhos.

O segundo tipo é denominado de "educação por ameaça de retirada de amor". A razão dessa denominação se traduz em expressões que façam a criança entender que a sua desobediência entristece os pais: “quando você não faz as tarefas, eu fico muito chateada”... A mensagem de “desamor” está relacionada ao não cumprimento do que foi estabelecido.

O terceiro tipo recebe o nome de "educação elucidativa", pois toda a ordem ou repreensão é acompanhada da explicação de sua razão de ser, em geral baseada na consequência dos atos (responsabilidade) e na consideração do outro. Por exemplo, “se você mentir, ninguém mais vai acreditar em você”; “se você não fizer a tarefa, não conseguirá acompanhar as atividades em sala de aula”. O resultado do estudo aponta esse tipo de educação como o que mais colabora para o desenvolvimento da autonomia. Resta, agora, entender o porquê.

Os três tipos de educação defendidos por Turiel trabalham os limites: um de forma autoritária, o outro apelando para afetividade e o último sustentando-os com explicações. A forma autoritária, sem dúvida, consegue a obediência, mas o custo obediência divorciada da reflexão é muito alto, capaz de comprometer o desenvolvimento da autonomia, ancorando pessoas, às vezes, pela vida inteira, no estágio da heteronomia moral – submissas e condicionadas a outrem.

A educação por retirada de amor possui o mesmo ingrediente da autoritária: o medo, que muda de objeto – o medo do abandono substitui o medo da punição. Institucionaliza-se, assim, a simetria no relacionamento familiar: pais e filhos passam a ser “iguais”. Uma verdadeira autoridade, quando desobedecida, não fica triste. Portanto, um pai, que se diz chateado com a desobediência de seu filho, não está assumindo a autoridade que lhe cabe nessa função. Vale ressaltar que a carga afetiva gerenciada a partir de constantes possibilidades de retirada do amor é muito pesada para uma criança e, freqüentemente, pode representar um desequilíbrio afetivo de grandes proporções, relacionado, inclusive, à depressão infantil desencadeada a partir da ênfase atribuída ao sentimento de culpa.

A educação elucidativa, a partir dos indicativos teóricos propostos, apresenta-se como a que mais contribui para a promoção da autonomia moral, pois não se abstém de colocar limites, nem silencia sobre o que é permitido e proibido. Seu grande diferencial é o de trazer a dimensão racional - a razão de ser das regras e princípios - trabalhando, portanto, a idéia de que a moral possui fundamentos racionais que podem ser avaliados à luz da inteligência (reflexão).

Em suma, como escreve Yves de La Taille em seu livro “Limites: três dimensões educacionais”, a associação entre limites e justificativas racionais prepara a conquista da autonomia, que pressupõe justamente uma apreensão racional dos princípios e das regras. E, ainda, vai mais além, esclarecendo que, dar-se ao trabalho de explicar a razão de ser das ordens significa respeito ao outro, notadamente à sua inteligência. Evidentemente, não se trata ainda de autêntica relação democrática entre iguais, uma vez que as posições de pai/mãe e filho são assimétricas por natureza, mas prepara a criança para que ela alcance e valorize a igualdade, sem a qual a autonomia não faz sentido.

(*) Acedriana Vicente Vogel é diretora pedagógica da Editora Positivo. 

Folga e feriado: o que a lei trabalhista diz sobre isso
Muitas vezes, o tão esperado feriado cai em uma terça ou quarta. Quando isso acontece, não há como esticar a folga e ter um feriado prolongado. Mas s...
Alimentos que parecem ser saudáveis, mas não são: tome cuidado com essas ciladas
O crescimento de doenças relacionadas aos maus hábitos alimentares e baixa adesão à pratica de atividades físicas tem atingido níveis alarmantes. De ...
Significado do solstício
Os domínios do mistério prometem as mais belas experiências – Einstein. Tudo o que existe foi criado por Deus. O céu, a terra, os mares, as árvores, ...
Quem tem ideal não envelhece
Achei, nos meus alfarrábios, texto que publiquei, em 3 de maio de 1987, na Folha de S. Paulo, dedicado à Melhor Idade: Na Religião de Deus, do Cristo...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions