A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 28 de Maio de 2017

03/06/2013 13:28

Em nome do índio

Por Semy Alves Ferraz (*)

Escrevo este artigo em memória de Darcy Ribeiro, o antropólogo que amou o seu semelhante: o índio brasileiro. Darcy Ribeiro esteve em Mato Grosso do Sul em 1983. Já se vão 30 anos. Fundador e primeiro reitor da UnB (Universidade de Brasília), Ribeiro era vice-governador do Rio quando esteve por aqui. Ele veio para a missa de sétimo-dia de Marçal de Souza Tupã-I, o guarani que falou, em 1980, ao Papa e pediu à Sua Santidade que ajudasse o índio do Brasil. Marçal foi, três anos após esse encontro, covardemente assassinado. O crime continua impune até hoje.

O partido que governava o estado em 1983 era o mesmo que nos governa agora em 2013, ano em que outro índio, Oziel Gabriel, é, também, brutalmente assassinado. Não vi, por esses dias, nenhuma autoridade que, na mídia, vive a defender os índios, falar o que Darcy Ribeiro falou há três décadas: “Esse estado está manchado de sangue com a morte de Marçal de Souza.” Por isso, em respeito à memória de Darcy Ribeiro, venho hoje falar em nome do índio.

O terena Oziel Gabriel, assassinado em Sidrolândia, tinha 32 anos de idade e era uma das promessas de sua comunidade. Ele morreu pelo mesmo motivo de Marçal de Souza, ou seja, na luta pela demarcação das terras indígenas, como estabelece a Constituição Federal de 1988. Acredito que a demarcação e a entrega das terras indígenas já deveriam ser questões superadas, resolvidas duas décadas atrás. Aliás, não cumprindo os preceitos constitucionais, a sociedade brasileira dá um passo atrás, retorna ao século XIX, como no tempo em que se discutia a abolição da escravatura. Autoridades e lideranças devem se submeter aos preceitos constitucionais, e não estimular conflitos com o único afã de procrastinar direitos adquiridos.

Os prejuízos decorrentes da incerteza fomentada pela protelação da entrega das terras são maiores que qualquer alegado prejuízo financeiro ao agronegócio, que não pode nem deve estar acima da lei. Conheço importantes empresários do setor que têm clareza disso. É deles a maior preocupação de ver sua atividade empresarial e seus investimentos serem confundidos com a prática bizarra dos senhores de engenho de um passado que não deixou saudades.

E o mais lamentável é que nesse período – quando passaram pelo menos sete governadores e igual número de presidentes da República –, mais de uma dezena de lideranças indígenas foram mortas, sempre em circunstâncias não explicadas, fazendo com que nós, agentes políticos, assumamos um ônus de dimensões gigantescas, ainda que não concordemos com a forma como nossas autoridades tratem a temática, que tem um viés social indiscutível. E infelizmente, em nosso estado, temos governante que incentiva o ódio contra os indígenas.

Quando as questões sociais passam para a competência das instituições policiais, é hora de todos os poderes constituídos serem chamados à reflexão, sob pena de pôr a perder as tão caras conquistas democráticas. Particularmente a Assembleia Legislativa, da qual tive a honra de integrar anos atrás, esteve presente, por meio de algum de seus membros, no local do conflito, com seu relevante serviço de interlocução conferido pelo mandato popular?

Agora, com a morte desse índio, mais uma vez, Mato Grosso do Sul ganha triste destaque no cenário nacional e internacional. Se Darcy Ribeiro vivo estivesse, em nome do índio, ele, com certeza, teria afirmado que todos nós morremos um pouco com Oziel Gabriel naquela quinta-feira, dia de Corpus Christi, 30 de maio do ano da graça de 2013.

(*) Semy Ferraz é engenheiro civil e secretário de Infraestrutura, Transporte e Habitação de Campo Grande.

O círculo vicioso dos agrotóxicos
Por trás de cada prato de comida existe uma complexa cadeia produtiva que vai desde as pesquisas científicas até a regulação do uso de substâncias qu...
Os vices e a democracia
Penduricalho é a coisa que fica pendurada, que pende como enfeite ou adorno. Os vices, em plano federal, estadual ou municipal (vice-presidente, vice...
A reforma do gás natural
A agenda da competitividade é imprescindível para o desenvolvimento do país. Precisamos de reformas que reduzam o custo Brasil por meio da melhora do...
Tendência da Justiça do Trabalho e os reflexos no seu negócio
Não é novidade que a Justiça do Trabalho tem como objetivo facilitar a busca de direitos por parte dos trabalhadores. Ela faz parte de uma rede de pr...



Vejo como Filho do Estado de Mato Grosso do Sul. Com tristeza e indignação, em pleno século 21. Assistindo exterminio dos povos Indiginas, praticamente indefeso, que lutam pela sua própria sobrevivência. Sobe a tutela das Policias Federais e Estaduais, Comandado pelos Partidos dos Governos, Federal e Estadual. Usuaram de todos os seus aparatos. Me Sinto Solidário, por ser filho de um lavrador explorado dai Nhecolândia. Quando criança assisti muita cena de descaso Trado pelos Ruralista, na época, tinham a suas moradias vivendo indiguinamente, não com ser humano. A imprensa sempre fecho os olhos, Politicos nem se fala. é por isso que cai fora dai...
Embora com saudades desse povo... Não devemos ficar cala, vamos a luta...
 
José Hugo Passinho Filho em 04/06/2013 15:20:51
Sinceramente os índios estão deixando esse pais em situação complicada, não respeitam as leis e muito menos as propriedades privadas, e o governo está com medo de barrar essa bagunça, ou melhor sem coragem! tudo que gera violência e desrespeito aos direitos dos outros deve ser punido e não fechar os olhos para essas invasões absurdas, fico triste de saber que temos alguém no poder, que pensa com tal paixão!!
 
daniela dias em 04/06/2013 02:50:18
Parabéns, secretário Semy Ferraz!
Enquanto muitos deputados, vereadores e até senadores se escondem para não tomar posição alguma, o senhor sai à luz do dia defender seu ponto de vista e, coerente com a sua história, ficar do lado dos indefesos, das vítimas de um estado que tinha tudo para ser modelo, mas virou a terra dos esquemas, para infelicidade de seu povo altivo, hospitaleiro e lutador, como os terenas e tantos povos originários, que não tombam, como as aroeiras nativas desta terra!
Schabib
 
Schabib Hany em 03/06/2013 21:30:51
A constituição deveria ser respeitada e cumprida, não só pelas terras "indigenas" mas o todo! Que se cumpra a constituição !por causa da morte de um indio, um monte de pessoas levantam a voz em defesa,mas pela morte de centenas todos os dias ,pela violencia,fome, e a péssima qualidade da saude publica!! Que eles tenham as terras deles,com justiça, e que nós "brancos", não tenhamos que pagar por mais isso!
 
Caio Prado em 03/06/2013 13:59:27
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions