A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 26 de Fevereiro de 2017

03/04/2012 14:45

Ética e Senado

Vladimir Polízio Júnior (*)

De muita gente passou despercebida a renúncia do presidente húngaro, Pal Schimitt, no último 02 de abril, motivada pelo plágio em sua tese de doutorado, defendida faz mais de 20 anos. Ainda que não seja exemplo de desenvolvimento econômico, sem dúvida esse pequeno país encravado no centro da Europa nos mostra que não há lugar para o “mais ou menos”. Ou é ou não é.

Assim, se plagiou na apresentação de tese, ainda que nos anos 90, não tem moral ilibada, e não pode ocupar cargo público, muito menos a presidência. Isso na Hungria.

Por aqui é diferente. Com o exemplo, lembro-me que um pretenso candidato à prefeitura paulistana fez o mesmo em sua tese de mestrado. Num país sério, essa situação sepultaria sua carreira política e ele voltaria a ser escritor. Aqui, sequer cogitou retirar a candidatura ou seu partido lhe cobrou explicações, e tampouco a oposição bradou que lhe falta idoneidade.

Aliás, até a criação da lei da “Ficha Limpa”, e da fixação dos seus efeitos pelo STF (Supremo Tribunal Federal) a praxe era o político envolvido em falcatruas renunciar ao mandato para retornar na legislatura seguinte pelo voto popular. Pelo menos nesse ponto agora será diferente, em que pese a tentativa de quase todos os partidos em obter, no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), que se afrouxe o rigor da nova lei eleitoral. Mas nesse espírito de mudança, de amadurecimento da República, qual o papel do Senado? É inegável a divisão social do Brasil atual: de um lado os políticos, que em regra somente pensam em si (que ampliam as vagas nas câmaras de vereadores etc), e do outro o povo (que em geral trabalha para viver, embora alguns vivam para trabalhar).

Dessarte, não se justifica a mantença do Senado. São 81 senadores, 3.516 funcionários terceirizados e 2,5 mil de carreira. Será que as elevadas discussões mantidas naquela Casa justificam sua existência? Creio que não.

O motivo mais recente é a derrocada do senador Demóstenes que, longe de ser o último, é apenas mais um dos tantos maus políticos pagos com nossos impostos. E interessante: lá tem assento Ivo Cassol, que vociferou da tribuna dia desses contra o fim do 14º e do 15º salários dos parlamentares, justificando que “O político no Brasil é muito mal remunerado! Tem que atender ao eleitor com pagamento de passagens, remédio, é convidado para patrono e tem que pagar as festas de formatura porque os jovens não têm dinheiro”, e Pedro Simon, com 50 anos de vida pública, que na edição de 04 de abril de Veja, confessou “O ministério é fraco, um dos piores que já vi.

Antes, colocavam-se nos ministérios os melhores nomes do Parlamento. Hoje, o ministério consegue ser pior que a média do Parlamento, que beira à mediocridade.” O Senado é prescindível, a ética não.

(*)Vladimir Polízio Júnior, 41 anos, é defensor público (vladimirpolizio@gmail.com)

Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...
Desglobalização seletiva
Para muitos analistas, a desglobalização significa a tendência das nações se fecharem para o comércio internacional. Neste movimento estão incluídos ...
Terça-feira de carnaval não é feriado
Bem ao contrário do que a maioria pensa, a terça-feira de carnaval não é considerada oficialmente feriado nacional. O mesmo ocorre com a quarta-feira...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions