A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 22 de Junho de 2018

06/02/2016 07:38

Falta de planejamento é um dos problemas de governo

Por Luiz Carlos Borges da Silveira (*)

Qualquer análise que se faça da administração pública no Brasil percebe-se facilmente que um dos problemas é a falta de planejamento, o que leva o governo a se ocupar mais de medidas e obras emergenciais, gastando mais sem resolver o problema, porque no geral são ações paliativas. É como na saúde pública, onde despreza as ações profiláticas e depois arca com as curativas, mais caras e nem sempre positivas em resultados.

Não ocorre isso apenas no governo federal, estados e municípios também atuam da mesma forma. A crise de abastecimento de água em São Paulo é um exemplo. Não houve preocupação com o aumento da demanda e progressiva redução do nível dos mananciais e reservatórios. Quando a situação ficou crítica começou corrida em busca de soluções rápidas, as obras anunciadas somente irão apresentar resultados no futuro, prevendo-se novos colapsos.

Um bom exemplo de planejamento ocorreu em Curitiba, que já foi considerada cidade-modelo. Tudo começou na gestão do prefeito Ivo Arzua quando foi criado, em 1965, o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba para elaborar amplos projetos e definir normas de planejamento, respeitadas pelas administrações que se seguiam. Hoje, evidentemente, já se observa saturação em alguns setores, havendo necessidade de retomada dessa política.

O problema da falta de planejamento é mais sentido na administração federal porque os efeitos irradiam-se a estados e municípios afetando a população toda. Reflexo visível é a atual crise em que o país está mergulhado.

No início do governo Lula foram seguidos planejamentos e algumas metas definidos pelo governo anterior, porém nada se fez de novo, com visão de futuro. Houve adoção de políticas sociais e medidas para aquecer o mercado interno, o que se refletiu na elevação do emprego e surgimento de uma nova classe média que estimulou o consumo e, por conseguinte, a produção. Tudo isso tem um preço, a situação não se sustenta indefinidamente, é preciso repensar, reavaliar, replanejar. Mas, o então governo não teve essa capacidade e o seguinte também não. O governo não se preparou, não adotou medidas corretas, algumas impopulares, porém necessárias, e agora o remédio tem de ser cada vez mais amargo.

A prova mais evidente de que este governo não planeja é o fato de haver encaminhado ao Congresso o orçamento para 2016 com déficit de R$ 30,5 bilhões, e então correu atrás de meios para cobrir o rombo fazendo cortes emergenciais que prejudicaram programas essenciais, ameaçando apropriar-se de emendas parlamentares gerando mais atritos com o Congresso, além de anunciar propostas para aumento da arrecadação por meio de mais impostos, taxas e contribuições. Essa situação desgastou ainda mais o governo e teve repercussão externa negativa em termos de investimentos, como se viu em decisões de agências de classificação de risco no final de 2015.

Planejamento de curto, médio e longo prazo é medida essencial composta de ingredientes mais técnicos e administrativos do que políticos, mas neste particular os governos negligenciam e entram em crises de difícil solução, as quais não se resolvem com operações tapa-buracos nem arrocho fiscal e tributário.

(*) Luiz Carlos Borges da Silveira é empresário, médico e professor; foi ministro da Saúde e deputado federal.

O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...
Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...
Servidor público da Previdência Social
Os servidores da Previdência Social, em especial aqueles que trabalham no INSS, estão totalmente sem norte, em virtude das mudanças políticas promovi...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions