A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

08/09/2014 11:07

Futuro e presente

Por Luiz Gonzaga Bertelli (*)

Sete de setembro é, sem dúvida, uma das datas comemorativas mais importantes da nação. Foi neste dia que, em 1822, D. Pedro I, após longa viagem a cavalo entre Santos e São Paulo – que naquela época não oferecia as facilidades das Rodovias Anchieta e Imigrantes – empunhou sua espada, nas margens do Ipiranga, para libertar a colônia portuguesa, com a famosa frase, reverberada aos quatro cantos: “independência ou morte”.

Em ano de Copa do Mundo, alguns símbolos nacionais voltaram à moda. O canto emotivo do Hino Nacional antes dos jogos da seleção demonstrou o patriotismo incubado do povo brasileiro. Da mesma forma, as cores da bandeira decoraram o país, do Oiapoque ao Chuí, em um sentimento que costuma ressurgir de quatro em quatro anos.
É preciso, no entanto, que demonstrações cívicas não estejam presentes apenas nos anos de disputa futebolística, mas todos os dias, em gestos de gentileza, na consciência de não sujar as ruas, na responsabilidade com o dinheiro público, no anseio de servir o próximo. São as pequenas coisas que transformam nações e fazem as pessoas exercerem a plena cidadania.

Ano eleitoral, no qual todos têm o direito de escolher seus representantes, tanto no congresso nacional e nas assembleias estaduais como nos governos estaduais e federal, é sempre uma oportunidade ímpar para que os jovens aprendam a importância do civismo embutido no poder do voto. Conhecer os candidatos, a história, as principais ideias e os programas partidários ajudam na hora de decidir pelo voto consciente. Não gostar de política é dar a chance de ser governado por aqueles que gostam – e nem sempre são os melhores.

Os estrangeiros que vieram acompanhar a Copa do Mundo ficaram extasiados com a recepção, com o calor humano dos brasileiros e com nossas belezas naturais. Mas para que a nação cresça e se desenvolva, com a diminuição das mazelas sociais que ainda afetam grande parte da população, é necessário apostar na educação da juventude, um papel que o CIEE realiza há 50 anos, contribuindo para a inserção de mais de 13 milhões de jovens encaminhados para o mercado de trabalho. Jovens bem formados e capacitados são a garantia para um futuro promissor, mas que também podem ajudar muito no presente.

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions