A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

03/05/2015 09:07

Governança incorruptível

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

Cada vez fica mais claro que faltam objetivos nobres na condução dos Estados. A ausência de planejamento sério e de disciplina nos gastos leva ao descalabro, o que vem ocorrendo há séculos. Assim continuará enquanto prevalecerem interesses particulares e imediatistas, sem responsabilidade com a construção de um futuro melhor. Muitos governantes não fizeram o mais elementar na administração das contas e no bloqueio de desvios do dinheiro público, contraindo dívidas que vão tendendo para o montante do PIB ou até o superam. Então se impõe a austeridade para resgatar a irresponsabilidade e para realizar os devidos pagamentos e seus encargos.

Como conciliar a abertura econômica num mundo desigual na disponibilização de capitais, na distribuição, no preparo da população, e na liberdade? Essa abertura deveria ser precedida por um acordo que desse suporte aos países mais atrasados para que não retrocedessem sob a pressão da concorrência, das imposições externas, e da consolidação de uma governança incorruptível e capacitada.

A economia globalizada deveria seguir o ritmo de estabilidade da natureza, com pleno emprego e produção equivalente ao consumo, mantendo o ciclo e expandindo-o conforme as necessidades. Devido à atração do dinheiro, produz-se para aumentar o acúmulo de capital e poder terreno. Em alguns países do Ocidente, a produção está abaixo das necessidades, mantendo-se o preço elevado. E com a entrada dos importados da Ásia, agora está ocorrendo a desindustrialização.

Temos de por fim à praga da corrupção que está levando tudo para o abismo. A ampliação da área de interferência do governo aumenta a possibilidade de falcatruas. Por isso mesmo as empresas têm de se tornar mais responsáveis e agir com ética e respeito aos consumidores, pois a sociedade deve ser o conjunto da população: proprietários, empregados, governo, todos empenhados na melhora geral, cada um dando a sua contribuição para o todo.

O poder corrompe. Infelizmente isso não ocorre só no governo, onde a sua própria força impede a visão clara de suas manipulações. Com a iniciativa privada deveria haver mais liberdade individual, desde que a ânsia pelo poder não levasse os dirigentes a ocultar seus desígnios de cobiça. O dramático é quando empresas e governos se juntam com propósito hegemônico, suprimindo as liberdades, criando muralhas que travam o progresso real. Nessas condições a espécie humana para de evoluir, regride, embrutece.

No Brasil há um grande atraso na educação e preparo das novas gerações. Em exames de avaliação de redação, os estudantes devolveram 284 mil provas em branco e 217 mil fora do texto proposto, o que significa que durante o período escolar os alunos não foram orientados, ou não se esforçaram em aprender a ler e compreender os textos. Por isso não sabem pensar com clareza.

Em vez de questionar o sentido da vida e entender que a nossa atitude no presente pode melhorar o futuro, os humanos dedicam muito tempo a superficialidades, fugindo sempre do âmago da questão da própria vida, pois se julgam o centro do universo. Não querem ver a sua insignificância diante do todo, buscando como compensação o desejo de dominar e fazer imposições, sem se esforçar por compreender que na matéria tudo é perecível. De criatura que não compreende o significado da vida, o ser humano quer arrogar-se dono da Criação.

A atual crise global mostra o resultado de anos de imediatismo e descaso com o futuro que já se apresenta sombrio com a escassez de recursos naturais e aumento da miséria. As empresas têm de se tornar mais responsáveis, reduzindo as interferências dos governantes na economia. A população não percebe que está em gestação um cenário caótico. As novas gerações precisam ser preparadas para forjar um futuro melhor. É preciso impedir a decadência. Precisamos de governança incorruptível que busque o progresso humano de forma continuada.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, e associado ao Rotary Club de São Paulo. Realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros “ Conversando com o homem sábio”, “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”, “O segredo de Darwin”, e “2012...e depois?”. E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

Muito, pouco
No dia 3 de maio de 2016, foi promulgado o Decreto nº 8.737, que institui o Programa de Prorrogação da Licença-Paternidade para os servidores público...
A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions