A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

09/06/2014 15:51

Há 95 anos...

Por Heitor Freire (*)

A colonização portuguesa nos proporcionou algumas instituições que se perpetuaram no tempo e no espaço e constituíram grandes avanços, embora a nossa tradição gozadora tenha o costume de tratar de forma jocosa os nossos irmãos portugueses.

Entre as instituições características do império marítimo português, e que ajudaram a manter unidas suas diversas colônias, havia o Senado da Câmara e as irmandades de caridade e confrarias laicas, das quais a mais importante era a Santa Casa da Misericórdia. A Câmara e a Misericórdia podem ser descritas como os pilares gêmeos da sociedade colonial portuguesa.

Os compromissos ou estatutos da Misericórdia variavam ligeiramente conforme o lugar e a época. A versão revista do compromisso de 1618, que foi aceita pela maioria das irmandades coloniais com poucas modificações, impunha que todos os membros deviam ser "homens de boa consciência e reputação, tementes a Deus, modestos, caridosos e humildes". Além disso, deviam possuir as seguintes qualificações, e, na falta delas, estavam sujeitos à expulsão ou à detenção imediata:

1. Não ter má reputação nas palavras, nas ações e na lei.

2. Ser de idade adulta conveniente e ter mais de 25 anos completos, no caso de homem solteiro.

3. Não ser suspeito de estar servindo à Misericórdia em troca de pagamento.

4. No caso de artesão ou comerciante, ser o mestre ou o dono do comércio, o responsável pela supervisão do trabalho de outros, em vez de executá-lo com as próprias mãos.

5. Ser inteligente e alfabetizado.

6. Ter situação suficientemente confortável para impedir qualquer tentação de desviar fundos da Misericórdia, e servi-la sem que isso lhe causasse nenhum embaraço financeiro.

Sem dúvida alguma, esses mesmos critérios foram adotados pelos fundadores da Associação Beneficente de Campo Grande, a nossa Santa Casa, no dia 3 de junho de 1919, completando, então, nesta oportunidade 95 anos de sua fundação. É quase um século de bons serviços prestados à nossa comunidade, com a consciência da responsabilidade que sempre foi o norte orientador dos associados da nossa Irmandade desde a sua fundação.

No último dia 17 de maio, fez um ano que a nossa Instituição foi devolvida, por decisão judicial aos seus verdadeiros donos: os associados da Associação Beneficente de Campo Grande. E neste período, muitas foram as inovações implantadas visando um melhor atendimento à nossa população.

A governança corporativa proporcionou uma visão administrativa mais eficiente, com maior participação dos associados por intermédio dos comitês setoriais. Um hospital tem características próprias; embora seja uma empresa, não se pode perder de vista a sua atividade fim: cuidar da saúde da população.

A melhora significativa no atendimento pode ser comprovada pelo aumento no grau de satisfação dos pacientes, resultado da implantação de novos procedimentos como a rede Cegonha, um programa do Ministério da Saúde para tratamento de gravidez de alto risco, e também o programa de estímulo ao parto normal.

O resgate do Plano de Saúde da Santa Casa, que está sendo totalmente reestruturado, é mais um fator que, temos certeza, vai merecer uma adesão maciça da população.

O comitê de renegociação das dívidas já saldou 40% do débito com fornecedores. Estão sendo renegociados diversos contratos, enfim,vida nova para a Santa Casa.

O nosso esforço e visão de futuro são dirigidos para que na comemoração do seu centenário, daqui a cinco anos, a comunidade de Campo Grande tenha resgatado o orgulho de haver construído e mantido o maior e melhor hospital da Capital.

(*) Heitor Freire, advogado e diretor secretário da Associação Beneficente de Campo Grande

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions