A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 20 de Outubro de 2017

18/04/2012 14:53

Homossexualidade: os conceitos formados pelo “pré-conceito”

Por Vítor Sampaio (*)

Uma pesquisa realizada pelas Universidades de Rochester, Essex e Califórnia, nos Estados Unidos, baseada em diversos experimentos e com resultados alinhados a teorias psicanalíticas, concluiu que o comportamento agressivo de pessoas homofóbicas é uma maneira de esconder a atração por pessoas do mesmo sexo.

Não pretendo aqui questionar ou apoiar a pesquisa, muito menos dissertar longa e cansativamente sobre a temática homossexual apoiando-me em teorias psicológicas de qualquer espécie. Gostaria, antes e fundamentalmente, de pousar meu olhar sobre o preconceito de forma geral, para entendermos esta forma humana de “se relacionar” e seu prejuízo para nosso convívio.

Quando falamos em preconceito, devemos de imediato, identificar o significado da própria palavra. Se dividirmos a palavra preconceito ficamos com “pré-conceito”, ou seja, o que é “pré” concebido. Temos aí dois termos: o pré (previamente, anteriormente) e o conceito (reflexão, interpretação). Assim, para entendermos o preconceito, precisamos fazer uma rápida revisão quanto ao uso destes dois termos.

Como formamos um conceito? Como conceituamos alguma coisa ou alguém? Ao lembrarmos que a existência humana só se faz existente quando se efetua, ou seja, se relacionando com os outros e com o mundo, fica fácil entendermos que para conceituar algo ou alguém, isto só se torna possível no contato, no encontro. Outros podem dizer o que quiserem sobre esta pessoa, mas de fato só formarei meu conceito (sentimento, pensamento e opinião) a partir do momento em que conhecê-la, constatando que acho isso ou aquilo. Assim, temos mais claro o que é formar um conceito.

Agora, vamos nos debruçar sobre o termo previamente. Previamente nos fala de uma relação temporal, algo que vem antes. Um pré-conceito é um conceito que vem antes. Mas antes do que? Vem antes do próprio conceito. Só poderíamos formar um conceito, como dizer que uma pessoa “tem tal jeito”, entrando em contato com ela. Então, um pré-conceito é dizer que a pessoa “tem um determinado jeito” sem tê-la conhecido, tendo assim uma certeza sobre suas características sem nunca propriamente contatá-la.

Surge aqui todo o problema de um pré-conceito. Acontece que esta conceituação prévia faz com que o “encontrar-se com ela” nunca se dê de fato. Este encontro é descartado, pois já existe uma certeza sobre como a pessoa é, eliminando a necessidade de realmente estar com ela. Este encontro que permitirá uma conceituação precisa e responsável, ou seja, uma conceituação que levaria em conta apenas o sentimento envolvido naquele encontro, já não se dará e não permitirá a formação de um conceito, deixando espaço apenas para o pré-concebido.

Mas como posso emitir um conceito prévio sobre alguém que não entrei em contato de fato? O pré-conceito muitas vezes é advindo do contexto de onde a pessoa está ou foi criada e não sobre o que efetivamente sei sobre ela. Assim, digo que alguém é desse ou daquele jeito porque isto me foi dito, foi o que me contaram sobre aquela pessoa. Mas isto não é uma relação de causa e efeito, que fique claro!

Ou seja, isso não é uma desculpa, no sentido de dizer “foi assim que fui criado, logo não posso ser diferente”. Ao contrário, nossas demonstrações de preconceitos são indícios sobre a necessidade de um olhar profundo para nós mesmos e nossas relações com os outros e as outras coisas. Se antes de entrarmos em contato com alguém já damos a esta pessoa um título, não estamos apenas nos esquivando de entrar em contato com ela. Estamos também restringindo uma importante parte de nossa existência, estamos restringindo nosso contato, nosso estar aberto ao outro e a novas experiências.

Vale lembrar que, independente das pesquisas que possam trazer “luzes explicativas” sobre homofobia e preconceitos de qualquer espécie, o preconceito caracteriza-se por uma séria e importante restrição em nosso modo de nos relacionarmos com os outros humanos: a possibilidade de entrar em contato de forma aberta e disponível para o que os outros têm a nos oferecer em sua plenitude. Não seria melhor se conhecêssemos antes de julgar?

(*)Vitor Sampaio é psicólogo mestrando em Fenomenologia-Existencial, mostra como identificar e principalmente evitar esse problema que tanto limita o relacionamento humano.

O futuro do 42º porto do mundo
Embora seja o maior da América Latina e o 42º no ranking mundial divulgado há poucos dias pelo Lloyd´s List Maritime Intelligence, de Londres, o port...
O direito a desconexão do trabalho
Trabalho é meio de vida e não meio de morte. Essa afirmação confronta a realidade de milhões de profissionais brasileiros que são obrigados a enfrent...
Da hora, tio!
Confesso que estou com saudade dos tempos já vividos. Dos tempos em que às oito da matina as crianças já estavam na escola desde às sete e Marta e eu...
Automação não é só para call center
A automação de atividades tem sido bastante discutida nas empresas e na imprensa, mas por um viés “negativo”: a substituição dos homens pelas máquina...



TEMOS QUE APRECIAR ESSE TIPO DE ARTIGO MAS TAMBÉM TEMOS QUE ENGULIR, EU DISSE ENGULIR MESMO, COM "U", CERTOS COMENTÁRIOS FANÁTICOS RELIGIOSOS EM NOME DE UMA FÉ QUE TALVEZ NEM VENHA DE DEUS. PARECE QUE O TAL DEMÔNIO ESTÁ É DENTRO DAS IGREJAS DOMINANDO OS FANÁTICOS E ELES VÊM AQUI FALAR ASNEIRAS E NEM PERCEBEM QUE O DEMÔNIO PODE ESTAR MESMO É DENTRO DELES. DAI-ME PACIÊNCIA, MEU PAI.
 
MARIVALDO ABDIAS em 19/04/2012 12:31:45
Ótimo artigo!
 
Henrique M. Ramos em 18/04/2012 06:09:00
NÃO ADIANTA COMENTAR E ENCOBRIR A COISA ERRADA, HOMOSSEXUALISMO É UMA FRAQUEZA QUE diabo PÕE NA CABEÇA DA PESSOA, SÃO PESSOAS DE MAS FAMÍLIAS, MAS FORMADAS, SOFRIDAS OU FINANCEIRAMENTE, POR SEPARAÇÃO DE PAIS, ABANDONOS, SEM RELIGIÃO DEFINIDAS, SÃO PROBLEMAS PESSOAIS, É SÓ LEVAR AO ALTAR DE DEUS, EXPULSAR O MAL QUE ESTA NA PESSOA, ENTREGÁ-LA A DEUS, QUE ACABA TODA ESSA BANALIDADE, NÃO DEVE ACEITAR.
 
pedro braga em 18/04/2012 05:18:39
então o tal pre-conceito hoje existente em larga escala,as vezes acaba com a liberdade da pessoa,istoé,deixando-na impossibilitada de fazer aquilo que gosta. ao mudarmos o comportamento aprendemos que a felicidade existe para todos,este substantivo felicidade é que nos alavanca para a vida real.e hoje em dia amar é a palavra chave,seja ele um amor homo ou hetero temos que viver a vida plenamente,
 
LUIZ GOMES em 18/04/2012 05:11:17
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions