A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

06/08/2013 14:18

Império da lei: a nomeação de Santini

Por Evaldo Borges Rodrigues da Costa (*)

No episódio recente referente à contratação do Dr. Santini, desembargador aposentado, para ocupar o cargo de procurador-geral do Município, no chamado período de “quarentena”, que diz respeito ao impedimento legal do magistrado aposentado de exercer a advocacia por três anos após a aposentadoria, o Ministério Público, esclarece, a propósito do manifesto público do eminente desembargador aposentado, Dr. Rêmolo Letteriello, em jornal de grande circulação local, que o Parquet trata de tal caso de forma isolada e normal, sob o ponto de vista da legalidade e da investigação de eventual improbidade administrativa.

Não se trata, como afirmado no artigo publicado, de “luta de classes”, entre o Ministério Público, a Ordem dos Advogados, e o Poder Judiciário. Menos, ainda, de perseguição de promotores e procuradores de Justiça a juízes e desembargadores.

Ao revés, a instituição Ministerial possui elevada conscientização do seu papel funcional no trato do patrimônio público, de uma forma geral e ampla, não havendo espaço algum para “lutas” de natureza corporativa.

Ao postular, tanto preventivamente, por meio de conversações e recomendações, quanto repressivamente, por intermédio de propositura de Ação Civil Pública, tem-se em vista a preservação da lei e da ética em tal questão-fim, e a tutela de todos os envolvidos no episódio, principalmente, do Poder Judiciário.

Verificam-se duas irregularidades de ordem legal: exercício de cargo público inerente a advocacia no período de impedimento legal da “quarentena”, e vencimentos superiores ao permitido em Lei.

Vários, porém, serão os prejuízos futuros na permanência de tal situação que vão desde as possíveis nulidades processuais praticadas pelo Dr. Santini à frente da Procuradoria-Geral do Município até as eventuais restituições de dinheiro público ao erário, se recebidos indevidamente.

Ora, se observada a situação no plano estritamente legal, à parte o corporativismo, em se predominando o bom senso, a prudência e a lógica, o Ministério Público, além de zelar pela boa aplicação da lei, estará também tutelando, no caso, a própria independência, real e aparente do Poder Judiciário, no exercício das suas amplas e relevantes funções judicantes, o qual deverá sentir-se liberto para julgar as causas de que seja parte a Prefeitura Municipal, transmitindo segurança jurídica aos jurisdicionados, protegendo a Prefeitura Municipal em relação aos princípios da boa Administração Pública, e restabelecendo-se o equilíbrio jurídico das partes no processo – autor, juiz e réu.

Assim, o Ministério Público, não vislumbra qualquer antagonismo institucional com o Poder Judiciário, nem com a Ordem dos Advogados, no episódio particular e isolado que envolve o Dr. Santini como chefe da Procuradoria-Geral do Município, eis que deposita e reconhece a confiança na autoridade e no império da LEI para a solução impessoal da controvérsia.

(*) Evaldo Borges Rodrigues da Costa, procurador de Justiça 

 

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions