A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Outubro de 2019

05/12/2014 09:09

Intervalo de 15 minutos para mulheres antes de hora extra é constitucional

Por Graziela Santana (*)

O Plenário do Supremo Tribunal Federal, em análise a Recurso Extraordinário (RE 658312), pois fim a uma discussão antiga, entendendo que o artigo 384 da CLT foi recepcionado pela Constituição Federal.

O referido artigo, que faz parte do capítulo que trata da proteção do trabalho da mulher, prevê a necessidade de concessão do intervalo de 15 minutos antes do início da prorrogação da jornada de trabalho da mulher, e vem sendo invocado em diversas demandas trabalhistas nos últimos anos.

A discussão principal do tema era de que a aplicação do intervalo estabelecido na CLT é contrária aos dispositivos constitucionais que estabelecem a igualdade entre homens e mulheres – artigos 5º, inciso I, e 7º, inciso XXX, da CF – e também que estaria ferindo o princípio da isonomia, uma vez que admite tratamento diferenciado em razão do sexo.

No julgamento realizado com reconhecimento de repercussão geral, o relator ministro Dias Toffoli afirmou que a Constituição de 1988 estabeleceu artigos para igualdade de gêneros, entretanto, ao mesmo tempo, admitiu a possibilidade de tratamento diferenciado entre homens e mulheres.

De acordo com o voto, a Carta Magna levou em consideração a “histórica exclusão da mulher do mercado de trabalho”, a dupla jornada das mulheres com atividades de trabalho e lar, e ainda, a existência de “um componente orgânico, biológico, inclusive pela menor resistência física da mulher” fatores que, segundo o ministro, devem ser levados em consideração na interpretação das normas.

Em que pese a confirmação da constitucionalidade do referido dispositivo, e o reconhecimento da repercussão geral do tema, é evidente que os 15 minutos de descanso aplicados somente ao sexo feminino, ainda é visto por muitos como uma forma de discriminação, podendo até mesmo gerar uma retaliação à contratação de mulheres, configurando verdadeira “proteção às avessas”.

No próprio Plenário do STF, dois ministros tiveram votos divergentes do relator. O ministro Luiz Fux apontou que o dispositivo somente poderia ser admitido em atividades que demandem esforços físicos, sustentando que “não sendo o caso, é uma proteção deficiente e uma violação da isonomia consagrar uma regra que dá tratamento diferenciado a homens e mulheres, que são iguais perante a lei”.

No mesmo sentido, o ministro Marco Aurélio afirmou ser contrário à aplicação do artigo, sustentando que ele “é gerador de algo que a Carta afasta que é a discriminação no mercado de trabalho”.

Ainda com as evidentes divergências, caberá às empresas se adaptarem e estarem atentas para a efetiva aplicação do intervalo, evitando assim futuras demandas trabalhistas.

(*) Graziela Santana, advogada Mascarenhas & Barbosa Advogados Associados

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions