A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

04/03/2015 14:05

mCommerce: onde estamos e para onde vamos?

Por Kenneth Corrêa (*)

O cenário do eCommerce

O eCommerce no Brasil é antigo (1995) e é grande: U$ 41 bilhões de faturamento em 2014. Mas o varejo, como um todo, obviamente é ainda maior. Os desafios do eCommerce ainda são praticamente os mesmos dos primeiros anos: convencer os usuários de que a compra online é segura, mais barata e mais conveniente que a “compra offline”.

Representando menos de 2% do varejo total no Brasil, a meta é chegar aos quase 15% da Inglaterra ou, pelo menos, aos quase 8% dos EUA. Mas, nos próximos anos devemos chegar a 20% ou 30% deste total, quadruplicando o faturamento atual do setor.

Com a chegada do iPhone em 2007 e a consequente popularização dos smartphones com Android nos anos seguintes, tivemos uma nova era de atenção dada a estes dispositivos, com muitas das nossas tarefas migrando do computador para a palma da mão, em um aparelho sempre presente, social e conectado.

Em 2014, mais de 35% dos celulares vendidos no Brasil foram smartphones. No Facebook, mais de 50% dos acessos diários também já originam de seus aplicativos para dispositivos móveis. Esta sequência de dados evidencia a existência de um novo aliado na antiga batalha para fazer os consumidores comprarem online.

O mCommerce

Este fenômeno recebeu um nome: mCommerce, abreviação de mobile commerce ou, comércio móvel, em português. Na prática, não importa se é um aplicativo ou a versão mobile do site, a pergunta que toda loja virtual deve responder é: “O meu cliente consegue, sem maiores dificuldades, realizar a compra em plataformas móveis?”.

Ainda que nem todas as lojas estejam preparadas para as vendas móveis, estima-se que, em 2014, 10% das vendas online no eCommerce brasileiro foram realizadas nos celulares e/ou tablets. Conforme o Índice Global de Pagamentos Móveis, divulgado no final de janeiro pela Adyen, no último trimestre de 2014, cerca de 26% dos pagamentos na web foram realizados por meio de dispositivos móveis. O estudo também revelou que 58% (o dobro!) das pessoas já preferem comprar por estes meios.

Consolida-se também uma tendência de que tenhamos aplicativos instalados em nossos celulares, com a conta de usuário e os nossos dados de pagamento já pré-configurados nas lojas em que mais compramos, tornando a compra online tão prática quanto utilizar uma rede social ou a própria agenda do celular. Daí vem a importância de consolidar e passar uma imagem de segurança e confiabilidade neste cenário no qual compraremos sem sequer perceber o que estamos fazendo (e viva as compras de impulso!).

O aplicativo é particularmente vantajoso quando o cliente precisa fazer muitas compras ou escolhas regularmente. Modelos de negócio de eCommerce baseados em assinaturas (subscriptions) e lojas que tenham muito compradores heavy-users podem se beneficiar de um aplicativo que facilita o processo de encontrar os produtos que o cliente compra com frequência - como medicamentos, cosméticos e produtos de higiene pessoal - permitindo e facilitando as compras “one-click”, com as informações de pagamento e histórico de compras anteriores salvos de forma segura com a loja. Tecnologias como o TouchID (dos dispositivos iOS) e, os equivalentes na plataforma Android, tornam ainda mais prática a autenticação das credenciais do usuário, sem que seja necessário digitar uma senha da forma tradicional.

Outra vantagem do uso de aplicativos para as compras onlines é que as empresas têm como utilizar informações fornecidas pelo hardware do celular, como a localização do consumidor na hora da compra ou ainda a câmera do telefone, o que permite apontar, por exemplo, um local conveniente para a retirada do produto, identificar quem vai fazer esta retirada ou utilizar códigos de barra para a comparação de preços.

Onde estamos neste processo?

De forma geral, boa parte das lojas virtuais brasileiras já estão adaptadas para a compra mobile, mas uma quantidade significativa de eCommerces ainda precisa terminar ou aperfeiçoar as adaptações técnicas necessárias para funcionar em todos os tamanhos de tela, sistemas operacionais e tipos de hardware diferentes - características estas que, combinadas, passam das centenas. Felizmente existem padrões seguidos pela indústria que facilitam este processo.

Mas não adianta deixar toda a responsabilidade para os lojistas, pois estes dependem também da iniciativa dos meios de pagamento em atualizarem suas plataformas para que o checkout, o momento final da efetivação da compra, também aconteça sem interrupções ou dificuldades que possam fazer o comprador desistir.

Vencendo esta etapa, os aplicativos se tornarão cada vez mais populares e, com a crescente popularização dos smartphones, as lojas ganharão o mais forte aliado nesta batalha pela representatividade das compras online desde a chegada do Paypal e do protocolo de segurança HTTPS.

(*) Kenneth Corrêa é diretor comercial do Grupo WTW, administrador, professor e palestrante nas áreas de gestão, marketing, planejamento e tecnologia.

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...


Eu dificil mesmo é comprar em loja fisíca , até porque tem produtos que chegam a ser mais caro 70% , e comprar na internet basta ter cuidado em comprar em loja com renome e que tenha loja fisíca e no mercado livre mesma coisa veja a reputação do vendedor etc , eu compro a mais de 7 anos e nunca tive problema de alguma espécie a não ser atraso mais ai é culpa do nosso famoso Correios o dia que privatizar ele assim como fez nos EUA , pode ser que fique bom , mais comprar na loja só pra ter o produto de imediato e pagar quase dois jamais mesmo , se tiver no mesmo preço uma raridade compro se não é na internet mesmo e nem ideia tenho de quanto já ganhei de dinheiro com essa economia .
 
jefferson rodrigues vasques em 04/03/2015 14:45:59
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions