A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 22 de Julho de 2019

18/06/2019 07:04

Mobilidade digital: transformação e oportunidade

Por Mauro Correia (*)

Ante aos crescentes movimentos disruptivos, pesquisas que apontam para um futuro em que consumidores preferirão usufruir de um automóvel a possuí-lo, e poucas certezas além da que é preciso tomar decisões agora, os OEMs do setor automobilístico fazem alianças para o atendimento das demandas de 2030.

Segundo as consultorias especializadas, as fusões e aquisições são praticamente inevitáveis por causa das mudanças que vêm por aí, e que apontam para o aumento da segurança nos carros, para a quebra de paradigma na propulsão e para a conectividade.

Os desafios do futuro encorajam as fábricas a repensar seu papel no presente. Já foi dada a largada para a corrida por uma nova orientação de negócios relacionados à sua atividade fim, como serviços de compartilhamento de carros, parcerias para outros novos serviços e colaboração mais próxima com planejadores urbanos.

O ambiente foge da zona de conforto e até pode parecer hostil, mas é esse o lugar onde a oportunidade se revela. Para começar, existe uma infraestrutura construída pelos OEMs e suas concessionárias que, combinada às ofertas de players digitais, pode facilitar as premissas da mobilidade futura.

A combinação de novas tecnologias e consumidores, altamente conectados, sinaliza em âmbito mundial que as fórmulas tradicionais serão substituídas. E a transformação, que envolve diretamente a engenharia, pode começar pela via da regulação. Sabe-se, por exemplo, que bater as metas de emissão de poluentes apenas com motores de combustão interna será cada vez mais desafiante.

Nesse escopo, a solução mundial recai sobre a eletrificação como saída. A tendência tem apontado para o crescimento gradativo da utilização dessa tecnologia como a mais provável para o carro do futuro por meio da lógica do compartilhamento, que pode mitigar o custo de aquisição pela economia obtida por km rodado em relação ao motor a combustão.

O processo de transformação é complexo e está atrelado a expectativas quanto ao comportamento do consumidor e a amplitude das mudanças ficará mais clara a cada dia. Tudo isso afetará profundamente o modelo de negócio que conhecemos, com questões e desafios que terão de ser resolvidos localmente.
Há muito trabalho a ser feito e a engenharia é protagonista dessa revolução, reinventando-se a partir das novas relações de negócios que nascem da compreensão sobre o que os consumidores do futuro enxergam como mobilidade.

A SAE BRASIL trabalha para abraçar o desafio desses novos tempos e contribuir para um futuro em que a engenharia e a indústria localizada no País sejam os atores principais de seu próprio destino, e saibam aproveitar as oportunidades.

(*) Mauro Correia é presidente da SAE BRASIL. 

Da continuidade
Em todo o mundo há somente duas espécies de pessoas: as que sabem e as que não sabem. (Krishnamurti in Aos pés do Mestre). A vida é uma escola de apr...
Agora é o STF
Das PECs que tramitam no Congresso Nacional desde 2009, há 32 que querem mudar o Supremo Tribunal Federal (STF). Destas, 24 estão na Câmara dos Deput...
Mandado para prisão: por que esperamos mais da tecnologia e menos uns dos outros
Longe de ser “tecnofóbico” ou ludita: uso diariamente aparatos tecnológicos, e sei o quanto podem facilitar nossas vidas guiando-nos pelo trânsito ca...
Nós e o acordo Mercosul-UE
O acordo de livre comércio entre a União Europeia e o Mercosul é, sem dúvida, um marco em nossas relações internacionais. Entretanto, quais serão os ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions