A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 22 de Agosto de 2019

14/08/2019 13:58

Momento de ansiedade mundial

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

A economia mundial apresenta-se fragilizada, inclusive no Brasil onde pouco se produz, embora haja baixo consumo. Dentre as causas se incluem a concentração da renda nas mãos de poucos e o encolhimento dos salários de muitos. Há grande volume de dinheiro, juros beirando a zero, e daí? Ocorreu uma mudança radical na estrutura produtiva mundial com a busca de menores custos de mão de obra, o que causou aumento da precarização no ocidente, e alguma melhora no oriente, do qual pouco se sabe das reais condições de vida.

Entre as causas do entorpecimento da atividade econômica no Brasil está o enlace do tabelamento do preço do dólar com juros elevados. Se os juros tivessem baixado há mais tempo, e com seriedade na administração pública, os empresários deveriam ter seguido uma linha idônea de produzir com qualidade e preços normais. Agora que a indústria está no chão, os juros baixam, mas os importados não querem ceder espaço. Necessitamos de grande esforço para reanimar as atividades e sair da estagnação tecnológica, pois a revolução industrial 4.0 está em curso no mundo despreparado para evoluir.

É preciso examinar atentamente as causas da paradeira que aflige não só o Brasil. Corte de juros não garante crescimento imediato, mas vai dar um alívio. Temos os fatores internos, corrupção, indisciplina fiscal, incompetência dos governantes que aproveitaram a maré de dinheiro pelo mundo, mas a crise financeira de 2008 fragilizou o ocidente, enquanto a China foi consolidando sua máquina de produzir manufaturados e acumular dólares. Mas agora o mundo, com alto endividamento, se defronta com novos problemas e incoerências econômicas. O funcionamento equilibrado da economia requer atividades produtivas e empregos para a população.

Há décadas o Brasil trava luta contra inflação, aparentemente domada, mas e a economia real da produção e empregos? Há muitos fatores além da inflação para serem acompanhados como o PIB, os empregos, o dólar que é a variável mais decisiva para o funcionamento geral da economia. Os países progrediram produzindo para o mercado externo; fizemos o oposto e agora não estamos produzindo nem para o mercado interno.

Muitos trabalhadores perderam a vaga nas indústrias de manufatura e de serviços relativamente sofisticados, e tiveram de se empregar em outras áreas como varejo, restaurantes, padarias etc. O remanescente dos ferramenteiros não tem mais onde exercer a sua profissão. A inflação tem de ser controlada, mas o PIB não deve cair.

No ano passado, o déficit comercial dos EUA com a China chegou a US$419 bilhões. Após o anúncio do FED sobre a redução dos juros, o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou tarifas de 10% sobre mais US$ 300 bilhões em produtos chineses intensificando a guerra comercial. Que consequências esses anúncios poderão trazer para a economia? No Twitter o presidente Trump disse que se as empresas estrangeiras não quiserem pagar tarifas devem se transferir para os EUA e gerar empregos no país.

Se as grandes empresas e os governantes tivessem olhado para a questão do equilíbrio geral, provavelmente não teríamos chegado a essa situação de guerra comercial de difícil solução face aos interesses envolvidos. Os sistemas econômicos deveriam ter como meta atender o crescimento natural da população. Cada povo surgiu numa determinada região formando espontaneamente uma nação, mas são erradas as manias de grandeza que os seres humanos intelectivos costumam desenvolver.

O momento atual exige extrema cautela e vigilância. Há uma grande efervescência de desejos e vontades, mas, ao mesmo tempo, há um poderoso reforço de energia da Luz que impulsiona as leis da Criação para os desfechos individuais e coletivos dos fios do destino tecidos por cada ser humano. Nada mais pode ficar parado, tudo tem de se movimentar e se mostrar como realmente é, e não como aparentemente se apresentava.

É muito importante observar atentamente a sintonização, o que estamos querendo, o que estamos pensando, pois tudo recebe reforços, sejam os pensamentos negativos de desconfiança, medo, ódio, inveja e cobiça, assim como os pensamentos voltados para o bem, para a busca da Luz da Verdade. Consciente ou inconscientemente, todos são envolvidos na turbulência. Que seja um envolvimento benéfico e construtivo que enobreça e eleve as criaturas humanas.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida.

Marketing de causa: quem ganha?
Muito se ouve falar sobre empresas que fazem Marketing Relacionado à Causa, mais conhecido como Marketing de Causa, mas ainda existem dúvidas sobre q...
Florestinha: uma experiência integradora
A responsabilidade de estimular uma educação voltada para o uso sustentável do meio ambiente e sua preservação, considerando a necessidade de ampliaç...
Boas novas para os hortifrutis
Toda vez que aumenta o tom de debates sobre defensivos agrícolas, sinto que se corre o risco de perder um pouco da dimensão histórica da questão fito...
Imposto único: um passo maior que a perna
Com a proposta da Reforma da Previdência em estágio bem avançado, o próximo tema a ser discutido pela sociedade é a Reforma Tributária, que deve ser ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions