A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 20 de Fevereiro de 2018

02/04/2015 14:09

Neste dia 2 de Abril, acenda uma luz azul!

Por Natália Cardenuto (*)

Em 2007, a ONU decretou o dia 2 de abril como “Dia Mundial da Conscientização do Autismo” (World Autism Awareness Day). Este é o dia em que familiares, médicos e instituições lutam pelos direitos da pessoa com autismo visando promover o conhecimento da população a respeito da síndrome. Há estudos que mostram que cerca de 70 milhões de pessoas espalhadas pelo mundo são autistas.

O autismo foi descrito inicialmente pelo psiquiatra austríaco LeoKanner em 1943, quando observou crianças que apresentavam prejuízos nas áreas da comunicação, do comportamento e da interação social, e caracterizou essa condição como sendo única e não pertencente ao grupo das crianças com deficiência mental.

Um ano após a descrição de Kanner, outro médico, Hans Asperger, descreveu crianças com sintomas semelhantes às descritas por seu colega. Porém, estas aparentavam ser mais inteligentes e não tinham atraso significativo no desenvolvimento da linguagem. Esse quadro foi mais tarde denominado de Síndrome de Asperger.

Recentemente cunhou-se o termo Transtorno do Espectro Autista (TEA) para englobar o Autismo, a Síndrome de Asperger e o Transtorno Global do Desenvolvimento sem outra especificação.

Segundo o dr. José Salomão Schwartzman, professor doutor e médico neuropediatra, “o que se chama de autismo nada mais é do que um tipo de comportamento que se caracteriza, em maior ou menor grau, por três aspectos fundamentais: são crianças que parecem não tomar consciência da presença do outro como pessoa; apresentam muita dificuldade de comunicação – não é que não falem, mas não conseguem estabelecer um canal de comunicação eficiente –; e, além disso, têm um padrão de comportamento muito restrito e repetitivo.

O diagnóstico da síndrome é feito através de avaliações de profissionais, de preferência multidisciplinares – neurologistas, psiquiatras infantis, pediatras, psicólogos e fonoaudiólogos, dentre outros. Não há exames físicos ou fisiológicos que diagnostiquem o autismo.

Especialistas orientam que a identificação do autismo o quanto antes é muito importante. A observação dos pais, pediatras e da escola é fundamental. Atualmente já é possível detectar essa síndrome em bebês.

Existem muitos questionamentos sobre qual seria a causa do autismo. Há diversas pesquisas a respeito, porém nenhuma delas afirma com certeza o real motivo que desencadeia a síndrome. Alguns estudos pontuam que o quadro do transtorno global do desenvolvimento é multifatorial, dependendo de fatores genéticos e ambientais.

Para o autismo não há cura, mas há muitas coisas que podemos fazer para dar qualidade de vida aos autistas e às suas famílias. Uma delas é promover o conhecimento para enfrentar os preconceitos.

A WAAp (World Autism Awarenes) definiu que a cor azul seria a cor a representar o autismo, pois a síndrome afeta mais os meninos, na proporção de quatro meninos para uma menina. Entretanto, algumas Organizações preferem usar um símbolo colorido, que retrata as diferentes formas que a síndrome se manifesta e seus diferentes graus.

Ainda hoje, são muitas as famílias que encontram dificuldades para incluírem seus filhos autistas em escolas de ensino regular. Mesmo estando na lei que toda criança e adolescente tem o direito de frequentar a escola, algumas instituições alegam não terem vagas;outras, não ter assistentes para ajudar. Enfim, as desculpas são variadas. Em muitos casos, o que leva algumas escolas a negar a vaga àquela criança é a falta de conhecimento. A inclusão é necessária, cada indivíduo é único, seja ele autista ou não e, por isso, cada caso deve ser analisado com muito cuidado.

Dentro do âmbito escolar, a criança autista poderá desenvolver inúmeras habilidades e uma delas é a socialização, o que vai ajudá-la em toda sua vida. Porém, há de se entender que autistas não frequentam a escola somente para socializar-se, eles também são capazes de aprender conteúdos pedagógicos.

Abrace esta causa. Neste dia 2 de abril, vista-se de azul e promova o conhecimento. Acenda uma luz azul, não só em sua casa ou em seu estabelecimento, mas dentro do seu coração e daqueles que o cercam. Mais informação, menos preconceito!

(*) Natália Cardenuto é Analista de Produto na empresa Planneta(www.plannetaeducacao.com.br), atuando na área de Parcerias e Soluções; Formada em Pedagogia, pós graduada em psicopedagogia Clinica e Institucional, possui grande experiência em trabalhos relacionados à pessoa com deficiência. E-mail:natalia.cardenuto@vitaebrasil.com.br

Que tiros serão esses?
O Brasil nunca viveu uma guerra civil. Mas já amargou momentos em que os militares oprimiram o povo, suprimindo garantias individuais, suspendendo a ...
O destino de uma nação
Há filmes que valem por um ator ou atriz. Outros, por uma cena marcante. 'O Destino de uma Nação', dirigido por Joe Wright, reúne esses dois elemento...
O que esperar do Congresso Nacional para a causa indígena
A julgar pelas proposições legislativas que tramitam no Congresso Nacional, mormente na Câmara dos Deputados, o ano de 2018 promete ser de lutas no c...
A evolução do Funrural no maior segmento produtivo brasileiro
O “Funrural” é uma contribuição social paga pelo empregador em favor do trabalhador rural, incidente sobre a receita bruta proveniente da comercializ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions