A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

22/11/2016 14:14

No princípio...

Por Heitor Freire (*)

No princípio, em agosto de 1917, um grupo de cidadãos prestantes, tementes a Deus, da então florescente vila de Santo Antônio de Campo Grande, reuniu-se sob a liderança de Eduardo Santos Pereira e Bernardo Franco Baís para pensar em como obter recursos para a construção de uma Santa Casa de Misericórdia nos moldes idealizados pela Coroa Portuguesa.

E ali, começaram a arrecadar meios para a fundação da futura Sociedade Beneficente de Campo Grande, o que veio a se realizar em 1925. Esses mesmos cidadãos, com algumas adesões posteriores criaram a Loja Maçônica Oriente Maracaju em 1921 – palco de acontecimentos políticos da maior relevância em nossa história –, e em 1926, a Associação Comercial de Campo Grande.

Uma árvore se conhece pelos seus frutos. Essas iniciativas prosperaram no tempo e no espaço, e permanecem altaneiras como símbolos maiores da nossa cidadania.

No ano que vem vamos comemorar o centenário do início das atividades da nossa Santa Casa. Temos documentos que comprovam esse início. É de arrepiar a lista de adesões de tantos cidadãos campo-grandenses e dos valores com que cada um contribuiu. Do menor até o maior.

E hoje, esse portento com mais de 700 leitos continua cumprindo sua missão sagrada: salvar vidas.

Os presidentes que exerceram mandato na ABCG por mais tempo foram: Juvenal Alves Corrêa, Aikel Mansour – também presidente da Associação Comercial por muitos anos –, José Nasser e Arthur D’Ávila Filho (idealizador da expansão e construção do novo edifício), que vieram a se tornar o sustentáculo da nossa Associação.

A administração da Santa Casa, com tantas dificuldades e muita insensibilidade do poder público, tanto municipal quanto estadual, nunca foi fácil. Fazer parte de sua administração é um verdadeiro sacerdócio. Todos os diretores e conselheiros exercem o seu múnus de forma voluntária. A nossa remuneração é a satisfação do dever cumprido.

Em 2005, sofremos uma invasão por parte da prefeitura, que interveio em nossa Associação mancomunada com o governo do estado, proscrevendo-nos da entidade. Foi um período negro em nossa história. Resistir, e manter a chama acesa foi um luta de gigantes.

O atual vice-presidente Jesus Alfredo Ruiz Sulzer contribuiu decisivamente para o sucesso dessa saga, proporcionando-nos, graciosamente, o local para a sede da nossa gestão no período da proscrição.

É de se ressaltar nesse período o trabalho incansável e competente do nosso advogado, dr. Carmelino Rezende – arcando com todas as despesas, custas judiciais e passagens a Brasília de seu bolso –, que não mediu esforços no sentido de repatriar-nos para o território momentaneamente invadido, conseguindo no poder judiciário o reconhecimento do nosso direito.

Em maio de 2013, finalmente nos vimos reempossados, no mandato de Wilson Levi Teslenco, que comandou a retomada da administração da ABCG, com o consequente e eficiente exercício de uma gestão competente, implantando uma nova mentalidade empresarial.

Hoje, sob a presidência de Esacheu Cipriano Nascimento, uma nova era se inicia com uma visão voltada para a recuperação financeira e material do nosso hospital. Assim, temos a retomada da construção da unidade do trauma, da reforma dos centros cirúrgicos – sem interrupção das operações –, assim como do quarto andar para atendimento particular (que tem continuidade com a do quinto andar), além da revitalização e do novo projeto para o pronto socorro.

Estamos observando uma situação que remete às nossas origens: a retomada de participação da comunidade com doações as mais variadas. A empresa Sherwin Williams doou toda a tinta para a pintura externa do hospital. Outras doações estão a caminho.

A sensibilidade do presidente e do diretor Milton Ferreira dos Santos trouxe ao hospital uma nova paisagem, criando um jardim que embeleza e revitaliza o portal de entrada, proporcionando uma energia que irradia das flores, num ambiente acolhedor e alegre.

Assim como era no princípio... continuamos com as bênçãos de Deus.

(*) Heitor Freire é diretor secretário da ABCG.

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions