A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

28/01/2018 11:52

O conceito e as reflexões sobre "compliance"

Por Manoel Pitrez Filho (*)

Na virada do século 20, começaram a emergir nos Estados Unidos as primeiras agências reguladoras. Foi quando os americanos criaram um modelo de fiscalização centralizado no qual a saúde alimentar e o comércio de medicamentos foram os primórdios da preocupação do governo na proteção da sociedade.

Essas regulações instigaram as autoridades governamentais a estenderem essas questões para as instituições financeiras, na quais os primeiros conceitos de cumprimento das leis e integridade parecem ter iniciado e solidificado o conceito de "compliance". Neste momento, o termo "compliance" (do inglês "to comply") se solidifica e assume um significado marcante, ou seja, agir de acordo com regras, em "compliance", é estar em conformidade com leis e regulamentos externos e internos.

Em 1977, surgiu a lei anticorrupção, pela qual as empresas deveriam ter seus livros e registros refletindo de forma correta suas operações e transações. Em 2002, após as fraudes e escândalos contábeis de grandes empresas americanas, o senador americano Paul Sarbanes e o deputado Michael G. Oxley introduziram uma sólida lei de regulação do mercado de capitais americano, reforma esta que, segundo a maioria dos analistas, representa a maior e mais radical desde a crise de 1929.

No Brasil, após os inúmeros danos causados por uma infinidade de escândalos financeiros, foi introduzida a nova Lei de Lavagem de Dinheiro, reconhecida por muitos como Compliance Antilavagem.

A imensa maioria dessas leis e normas visa quase que exclusivamente à regulação de aspectos econômico-financeiros das empresas. Pouco se comenta sobre um dos importantes pilares do "core" do compliance, que é o compromisso das empresas com a integridade e a conduta moral, em todas as esferas do seu corpo funcional.

Pensamos que esta talvez seja uma das tarefas mais árduas e difíceis de serem implementadas no âmago das empresas, mas também podemos assegurar que, ao assumirem o sistema de compliance e a integridade, estarão impulsionando a mudança na forma de administrar e na cultura que vivemos em nosso país.

(*) Manoel Pitrez Filho é médico e vice-presidente da Unimed/RS

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions