A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 13 de Outubro de 2019

02/08/2015 14:00

O Estado de Cunha

Por Gabriel Bocorny Guidotti (*)

No ápice da monarquia francesa, o rei Luis 14 decidiu marcar sua passagem pela terra com a construção de uma obra que representasse a magnitude do poder absolutista. Para atingir tal intento, contratou um arquiteto, Louis Le Vau, que deu início a um projeto ambicioso. O resultado foi o Palácio de Versalhes, localizado na cidade francesa homônima. Trata-se do maior palácio do mundo, uma obra magistral.

Luís 14 deixou para a posteridade uma representação de seu vasto poder, mas não apenas por meio de Versalhes. Uma frase histórica, atribuída a ele, diz o seguinte: “O Estado sou eu”. Todos eram vassalos, todos poderiam ser subjugados. Talvez seja impressão minha, mas vejo semelhança neste temperamento com o que acontece na Câmara dos Deputados do Brasil. Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o presidente da Casa, é o político mais influente do país, no momento. Ele assumiu um protagonismo que o alça para acima da própria Dilma Rousseff.

As maquinações políticas de Cunha têm trazido prolíferos resultados à proposta de ser oposição do atual governo. Tanto é que a Câmara barra projetos de origem do Planalto. Uma grande dor de cabeça para Dilma, em outras palavras. Alguns acusam Cunha de ser inescrupuloso e antiético. Outros dizem que a carga excessiva empregada logo no primeiro semestre desgastou o deputado, de modo que ele não vai durar no cargo. Seja como for, Cunha permanece onde está. E, a despeito de denúncias na Lava Jato, com solidez expressiva.

Fato é que o deputado representa um partido polêmico. O PMDB, historicamente, esteve do lado mais forte. Agora que o PT sofre as consequências de sua própria incapacidade, os peemedebistas pulam fora da barca paulatinamente, pois a pretensão é ter candidato próprio em 2018. Dependendo dos próximos episódios, o partido pode assumir o poder antes do que esperava. Com tantas pressões, será que Dilma vai suportar mais três anos e meio de mandato?

Destarte, minha intenção não é ser injusto com Cunha e tampouco acusá-lo de qualquer coisa. Ele faz seu jogo, como todos no Congresso. No momento, é o melhor jogador. Creio que muitos indivíduos do cenário político brasileiro abraçam a frase de Luís 14. O PT, de Dilma, pela forma como conduziu sua reeleição. O PSDB, de Aécio, que se diz uma oposição viável, mas recebe fundos dos mesmos patrocinadores e promete uma mudança que não fez em oito anos de mandato. Com tantos interesses em jogo, acredito que o poder absoluto, embora ramificado, permanece imbatível.

(*) Gabriel Bocorny Guidotti, bacharel em Direito e estudante de Jornalismo

As lições a serem aprendidas com o lago do Parque das Nações Indígenas
“Nesta terra molhada”, após 5 meses com inúmeras iniciativas, do governo e sociedade, o lago artificial do Parque das Nações está voltando a produzir...
Gestão pública é o caminho contra a corrupção
A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974. Ou seja, esse mal é algo comum e enraizad...
A virtude da temperança
Não haverá Paz duradoura enquanto prevalecerem privilégios injustificáveis, que desonram a condição humana, pela ausência de Solidariedade, que deve ...
MS: Um novo salto de desenvolvimento
A história de Mato Grosso do Sul não é uma linha reta. Ela vem sendo escrita, no curso do tempo, por diferentes protagonistas, por meio de um caminho...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions