A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 19 de Novembro de 2019

14/10/2013 13:43

O que é democracia?

Por Elizeu Dionizio (*)

Porque o soberbo ditador e seus asseclas asseveram que foram democraticamente eleitos e depois de assumirem o poder esquecem-se dos fundamentos e princípios dessa forma de governo?

Democracia exige constante prestação de contas para a sociedade, pois é o povo no poder. A observação dos seus valores e fundamentos deve ser perceptível e palpável, e não apenas discursos inflamados na defesa do indefensável e completamente destituídos de conteúdo e compromisso, apenas um amontoado de frases de efeito sem sentido prático algum.

Fica uma incômoda questão: Então vale a Democracia para o voto. Depois se vive a Demagogia no poder?

Quem não quer se submeter às obrigações e deveres decorrentes do Estado Democrático de Direito não pode viver neste nosso atual sistema político. Se a regra vale para Entrar.... Então a regra deve valer para o Durante e, para os desobedientes de plantão, para o Sair.

Viver em sociedade exige a submissão ao regramento dessa organização social. Significa estar atento a TODAS as exigências que a lei, democraticamente estabelecida, impõe e deve-se segui-la. Não com interpretações convenientes e peculiares. A legislação deve ser obedecida. Gostem ou não.

Qual o comportamento observado hoje em nossa Capital? Antes de ter que se submeter a ela bradava-se eloquentemente sua visão com alteração mágica da realidade.... depois da responsabilidade transferida, questiona-se a dureza que o código de regras significa e tem que encarar a realidade.

A realidade da vida é diferente da facilidade de discurso. Ainda mais da vida pública, onde a prestação de contas é cotidiana e implacável. Ainda mais quando as parcas realizações ficam recheadas de vícios, impropriedades, irresponsabilidades e por fim ilegalidades.

O sistema de governo, de pesos e contrapesos, assim delimita as competências de cada ente público.

Essa é a beleza da Democracia. Suas regras são claras. Não se admite a arbitrariedade. Fez errado. Tem que ser corrigido. E, em alguns casos, punido. E a punição pode ser o bilhete de saída pela perda das condições que o colocaram na cadeira.

As regras valem para o Antes (Eleições) e para o Durante/Depois (Mandato), principalmente.

“Os democratas” tem que aprender que o resultado das eleições não é um salvo-conduto para a ilegalidade, mais sim um compromisso com a realidade. Respeitem-se o resultado das urnas e que se respeite a responsabilidade e as consequências que ao votado se impõe.

(*) Elizeu Dionizio Souza Silva é vereador pelo SDD (Solidariedade).

 

Da Influência do Comportamento
Neste momento de caos que estamos vivendo em todo o mundo com as pessoas agredindo-se mutuamente, gerando conflitos, desentendimentos, competitividad...
Quando o muro caiu
O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal...
Nova chance para os "contribuintes legais"
Os contribuintes foram surpreendidos com uma nova chance de quitar suas contas com o Fisco: a Medida Provisória 899/19 prevê a possibilidade de parce...
Os mortos
A morte virou um tabu. Logo ela, a maior de nossas certezas, tornou-se assunto proibido. Cada vez mais tem se tornado comum ouvir dizerem: “se um dia...


Vereador Eliseu Dionizio, seu artigo fala de verdades, porém não da Capital apenas, mas muito mais do executivo estadual!
 
Paulo Braga em 14/10/2013 19:00:53
A meu ver teoricamente os políticos sabem dizer na ponta da língua do que trata a democracia.Mas lhes custa muito colocá-las em prática.Pois depois das eleições são acometidos de amnésia.
 
Marcia França em 14/10/2013 15:36:25
Quando comecei a ler o artigo, brilhantemente escrito, inicialmente pensei tratar-se do executivo estadual. Depois eu comecei a entender. Perdoem a minha ignorância. Nem sempre ela é uma benção.
 
Carlos Cordeiro em 14/10/2013 14:49:05
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions