A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

12/04/2011 11:00

Pecuária e aquecimento global

Por Ana Marozzi, Antonio Fernandes e José Aníbal (*)

Desde que aquecimento global saiu dos meios acadêmicos e ganhou o interesse geral, tornou-se um tema muito sujeito a especulações e alarmismos. Desde a divulgação do relatório da FAO em 2006 - “Longa sombra da pecuária”, esta passou a ser considerada “vilã” do aquecimento global. Nesse relatório, a pecuária é colocada como equivalente ao sistema mundial de transportes – consumidor voraz de combustíveis fósseis – quanto à produção de gases de efeito estufa (GEE).

A principal contribuição da pecuária quanto à emissão de GEE refere-se à produção de metano, segundo gás em importância relativa dentre os causadores do efeito estufa. Subproduto da fermentação ocorrida durante o processo digestivo de bovinos e outros ruminantes, o metano é expelido pelos animais por meio do “arroto” - e não do “pum” como se costuma reportar. Em termos globais, a pecuária contribui com 22% (70 a 100 milhões t/ano) das emissões totais.

A divulgação em massa dessas informações acerca da pecuária, sem conhecimento ou estudo aprofundado sobre as cadeias produtivas, tem prejudicado a imagem do setor, sobretudo com relação à pecuária bovina brasileira. Tendo se consolidado nas últimas décadas como o detentor do maior rebanho bovino comercial do mundo, o Brasil tem se destacado no cenário mundial das exportações de carne. Com a perspectiva de aumento significativo na produção de carne para os próximos anos, as pressões sobre a responsabilidade do país quanto à contribuição do setor para as emissões globais têm crescido, tornando a pecuária bovina brasileira “bode expiatório” do aquecimento global.

É preciso evitar que o foco em emissões de GEE ofusque a vital contribuição dos ruminantes que consiste na sua grande eficiência em transformar “palha” em alimento protéico de alta qualidade nutricional (carne e leite). Se por um lado, não é possível desvincular as emissões de GEE da atividade pecuária, já que essa condição evoluiu com as espécies de ruminantes e é necessária para evitar a intoxicação do animal, por outro é possível pensar em mitigação, avaliando de forma concomitante os vários processos relacionados às emissões de GEE.

Para isso é necessário integrar a quantificação das emissões e da capacidade de absorção de carbono pelos diferentes compartimentos presentes nos diversos sistemas de produção pecuária existentes no Brasil, levando-se em conta as peculiaridades de cada um. A partir daí, as melhores estratégias a serem adotadas poderão ser estabelecidas, de modo a que não representem mais encargo financeiro para o produtor sem vantagens econômicas evidentes, visando garantir a sustentabilidade da atividade. Além disso, também será possível calcular a “pegada” de carbono dos produtos, a qual poderá se tornar uma exigência dos mercados consumidores num futuro próximo.

O Pantanal, por exemplo, é uma das mais expressivas regiões criatórias de bovinos de corte do Brasil. No início da exploração, o homem tentou moldar o ecossistema às suas necessidades de acordo com os conhecimentos da época. Mas logo percebeu que a alternância de períodos de cheia e seca se manifestavam com intensidades variáveis ao longo dos anos, não permitindo grandes alterações sem que grandes prejuízos ocorressem, o que tornou necessária a sua adaptação ao meio. Face a essa situação, a pecuária de corte é desenvolvida na região em sistema extensivo, sendo os animais mantidos quase que exclusivamente de pastagens nativas em extensas invernadas, de forma a permitir o pastejo seletivo e o uso das aguadas.

Os seus índices zootécnicos são relativamente baixos quando comparados aos sistemas intensivos, mas o manejo tradicional praticado há mais de 250 anos pelos produtores pantaneiros tem contribuído para a conservação ambiental: a região possui ainda nos dias de hoje cerca de 87% da sua vegetação nativa preservada. Nos últimos anos, porém, as pressões econômicas para aumento da produtividade dos sistemas de produção de gado de corte do Pantanal vêm crescendo o que pode ameaçar a sustentabilidade dos ecossistemas.

Por estar localizado em áreas agrícolas marginais, o Pantanal não suporta tecnologias muito intensificadas, sem que ocorram alterações insustentáveis, além de não necessariamente promoverem ganhos econômicos ao produtor. Portanto, conhecer e quantificar o balanço de carbono e das emissões, identificando possíveis formas de compensação para as emissões de GEE, constitui o melhor caminho a ser seguido para mitigação.

Dentro desse contexto, a Embrapa Pantanal integra um projeto em rede, sob a coordenação da Embrapa Pecuária Sudeste e com a participação de outras Unidades da Embrapa, além de Universidades e outros Centros de Pesquisa, com o objetivo de estimar a participação dos sistemas de produção pecuária dominantes em cada um dos biomas brasileiros na dinâmica de gases de efeito estufa, com vistas a subsidiar políticas públicas e alternativas de mitigação.

Os sistemas não confinados (extensivo, intensivo, integração lavoura-pecuária, silvipastoril, agrossilvipastoril) e sistemas tradicionais, como criações no Pantanal, Pampa, Caatinga e Ilha de Marajó, serão avaliados de maneira comparativa, tendo como controle positivo a vegetação natural (florestas e vegetações características de cada região) e como controle negativo, as pastagens degradadas.

Os resultados a serem obtidos no projeto irão contribuir para o aumento da competitividade e a sustentabilidade da agricultura brasileira. Além disso, poderão auxiliar no cumprimento das metas voluntariamente assumidas pelo governo brasileiro de redução das emissões antrópicas de GEE em mais 30% até 2020.

(*) Ana H. B. Marozzi Fernandes, Fernando Antonio Fernandes e José Aníbal Comastri Filho são pesquisadores da Embrapa Pantanal.

A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...



Parabéns. Aí está uma colocação responsável baseada em conhecimento científico.Os "verdes " precisam deixar de se levar por opiniões de gente que não sabe o que fala.
 
marcos em 12/04/2011 11:20:10
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions