A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019

29/07/2015 16:57

Pedaladas do Governo tendem a aumentar os juros na próxima reunião do Copom

Por Reginaldo Gonçalves (*)

As crises que continuam a todo o vapor decorrentes da operação Lava-Jato e o aumento dos preços administrados pelo governo estão gerando situações que estimulam críticas com a condução da situação econômica e política. O desgaste é claro e o prejuízo ocasionado já ultrapassa fronteiras.

Temos o risco iminente da queda da nota do Brasil pelas agências internacionais deixando de ter o grau de investimento para o grau especulativo, deixando o Brasil em uma situação ainda mais complicada e desestimulando os investimentos efetuados, principalmente pelos fundos de pensão e tornando mais cara a captação de qualquer recurso estrangeiro.

As consequências destas mudanças estão atreladas à mudança do superávit primário, que de 1,1% passa a ser de 0,15% do PIB. Nesse caso, o governo criaria a alternativa de aumentar os gastos sem a obrigação de manter um superávit para a amortização dos juros da dívida pública e, o aumento da inflação, que está projetada para 9,23% ao ano.

Com o aumento da perspectiva da inflação, a próxima reunião do COPOM tende a aumentar a taxa de juros com o objetivo de estimular a poupança e coibir o consumo. Mas, com a perspectiva de aumento do desemprego, baixa competitividade da indústria por falta de investimentos em infraestrutura no País aliada a preocupação do governo em taxar ainda mais as empresas, o aumento dos juros poderá levar diversos segmentos a não conseguir honrar suas dívidas com credores, principalmente as que são indexadas.

A premissa na reunião do COPOM é que a taxa seja aumentada em 0,5%, saia do patamar de 13,75% e atinja 14,25% ao ano. A meta do BACEN era chegar até o final do ano em 14,5%. A situação econômica não é nada favorável, mas a preocupação com o aumento da inflação e com o rebaixamento da nota do Brasil, trará a necessidade de rolar a dívida e, para que o investidor possa colocar seus recursos, precisa de um maior estimulo - e com isso a taxa selic tem que ser maior em virtude do grau de risco que os investidores terão. O corte de gasto público nesse momento é fundamental, sendo mantida as prioridades pela lei determinada que é segurança, transporte, educação e habitação.

As empresas brasileiras não estão suportanto a carga tributária e juros altos que consomem o investimento e não se transformarão em retorno positivo dos resultados.

(*) Reginaldo Gonçalves é cordenador do curso de Ciências Contabéis na Faculdade Santa Marcelina (FASM)

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions